Resenha: A Garota no Trem – Paula Hawkins

“Todas as manhãs, Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas dágua, pontes e aconchegantes casas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes a quem chama de Jess e Jason , Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess na verdade Megan está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos.”

Depois dessa sinopse, com certeza já fiquei com vontade de ler A Garota no Trem, livro best-seller da autora Paula Hawkins. Como adoro livros desse estilo (curti bastante o Garota Exemplar, da Gillian Flynn), baixei o e-book no Kindle e já embarquei na leitura. O começo me agradou bastante, mas foi a partir da metade que o livro começou a se enroscar e perdeu completamente minha atenção.

Resenha: A Garota no Trem - Paula Hawkins

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Com uma história óbvia, A Garota no Trem enrola, enrola, enrola por pelo menos 100 páginas, algo que deveria ter se resolvido em vinte. Quando você finalmente espera aquele final mindfuck, espetacular e surpreendente, o livro joga na sua cara: “sim, era esse mesmo o final, não tem nenhuma surpresa, é isso mesmo”. Sei que esse livro foi o mais vendido ano passado (como comentei aqui no blog) e deve ter conquistado milhares de pessoas, mas me decepcionou bastante.

Eu gostei da premissa e até senti empatia pela protagonista Rachel, uma alcoólatra que viveu em um relacionamento tenebroso com um marido machista e infiel. Rachel a cada dia tenta se reinventar, mas é carregada para baixo por conta da depressão e do alcoolismo. Os outros personagens são horríveis, até perdi a fé na humanidade. Mas ela, não! Rachel tem solução e carisma, mesmo cometendo muitos  erros durante o desenrolar da história.

Veja também

Resenha: E não sobrou nenhum – Agatha Christie

Resenha: Misery – Stephen King

Resenha: O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares – Ransom Riggs

Mas, infelizmente, a trama não é tão empolgante e tropeça em vários momentos, tornando-se enfadonha. Os acontecimentos deixam muito claro quem é o assassino e o psicopata da história. Eu gostei de a autora retratar os relacionamentos abusivos que estão em toda parte: Tom e Rachel, Scott e Megan, Tom e Anna, Megan e Mac. O tema central do livro é com certeza o relacionamento em que a mulher se sente menosprezada, diminuída, enquanto os homens sempre levam a melhor. Porém, apesar de ser interessante – e bem importante – abordar essa temática, o livro falhou em trazer algo novo.

Resenha: A Garota no Trem - Paula Hawkins

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

O filme com a Emily Blunt no papel principal estreia em breve, e, pelo que pude observar pelo trailer, promete ser bacana. Quem sabe o longa não é melhor que o livro? Vamos aguardar!

 

Resenha: A Garota no Trem - Paula HawkinsTítulo original: The Girl On The Train
Autora: Paula Hawkins
Editora: Record
Número de páginas: 378
Ano: 2015
Gênero: Thriller
NotaEstrelaEstrelaestrela vaziaestrela vaziaestrela vazia


Escrito por:

Isabela Zamboni



Comentários via Facebook

Comentários


Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *