Resenha: Esperando Godot – Samuel Beckett

Quando comprei Esperando Godot na loja virtual da Cosac Naify, tudo o que eu sabia era que essa obra de Beckett é conhecida mundialmente, tornou-se um marco para o teatro e havia quebrado várias regras. Confesso que no começo fiquei com aquele ~medinho~ bobo de achar a leitura muito difícil (como ler o Macbeth, do Shakespeare, que foi bem complicado) mas quando comecei, foi num embalo só.

Resenha: Esperando Godot - Samuel Beckett

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

A peça foi escrita originalmente em francês e estreou em 1953. A importância de Esperando Godot é tão grande que se tornou um divisor de águas no teatro do século XX. E a história é bem simples: dois “vagabundos” aguardam infinitamente, num descampado, a vinda do senhor Godot, que nunca aparece. É basicamente isso.

Mas, então, o que tem de tão genial e arrasador na peça? Em 1953 – uma época em que o teatro oferecia sequências lógicas, com começo-meio-e-fim, técnicas de atuação e composição específicas – Beckett chegou para distorcer e renovar a forma de fazer teatro. Esperando Godot tenta ridicularizar nossa vida cotidiana para mostrar o absurdo de nossa existência em um mundo completamente caótico.

Durante toda a peça, os personagens principais aguardam “Godot”, que nunca aparece. O tema principal da peça é a espera, aquilo que nunca chega, o tempo paralisado. Os personagens principais tentam de várias formas fazer com que o tempo passe, seja com conversas fiadas, palhaçadas e “tiques” bizarros, como brincar o tempo todo com seus chapéus. Ler a peça é uma experiência, mas acredito que assistir é outra bem diferente. Atuação, cenário, luz e os outros elementos que compõem uma peça de teatro transformam qualquer texto escrito.

Resenha: Esperando Godot - Samuel Beckett

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Nesta edição da Cosac Naify, ao final, há uma compilação de resenhas e explicações de críticos e estudiosos da literatura e do teatro. Cada texto aponta uma perspectiva da peça, que, para cada pessoa, representa algo novo. Ao romper as barreiras da linearidade e da lógica, Beckett ironiza a vida do “homem comum” e ao mesmo tempo oferece uma grande sutileza nos diálogos. Não é uma peça difícil de ler em questões de vocabulário – como Shakespeare – mas oferece múltiplas interpretações. Dificilmente alguém consegue definir essa obra tão complexa e, ao mesmo tempo, simples.

Como definir Esperando Godot? Menos é mais. Leia, releia, reflita, analise. Não se atente às regras, apenas coloque-se no lugar dos personagens, pense no seu cotidiano e nas pessoas ao redor. Acredito que essa é a forma mais “fácil” de definir essa obra tão original.

Leia também

Resenha: Esperando Godot - Samuel BeckettTítulo original: En attendant Godot
Autor: Samuel Beckett
Editora: Cosac Naify
Número de páginas: 192
Ano: 2014
Gênero: Teatro
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vazia


Escrito por:

Isabela Zamboni



Comentários via Facebook

Comentários


Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *