Resenha: O Sol É Para Todos – Harper Lee

Esse livro sempre foi o maior rebuliço. Já ouvi muitas pessoas falando dele, tem um filme ganhador de Oscar baseado na obra, muitos personagens de filmes e séries comentam a história da autora Harper Lee etc. Quando soube que a continuação seria lançada 55 anos depois (!!!!), fiquei com vontade de saber do que se tratava.

E é incrível! Apesar da tradução um pouco estranha (muitas coisas não fizeram sentido, não sei se cortaram ou mudaram as palavras), “O Sol É Para Todos” é uma lição de vida, que cai muito bem nos tempos de hoje, apesar da história se passar na década de 30.

Resenha: O Sol É Para Todos - Harper Lee

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

A história é dividida em partes, apresentando primeiro a vida dos personagens principais: Scout, a narradora, uma garotinha de 8 anos; Jem, seu irmão mais velho; Dill, um amigo dos dois, que passa todos os verões em Maycomb (condado onde a história é contada); e Atticus, o pai de Scout e Jem. Pelos olhos das crianças, enxergamos um perverso mundo dos adultos, onde racismo e preconceito estão acima de tudo. Afinal, estamos falando do sul dos Estados Unidos na década de 30.

O mais interessante é que o livro cria uma extensa contextualização, para apenas na metade entendermos do que realmente se trata a história: Atticus é um advogado que vai defender um negro acusado de estuprar uma garota caucasiana. Pense agora na situação deste homem, morando em um local onde o preconceito é comum e praticamente um absurdo acreditar na inocência de um negro.

Como a história é narrada pelos olhos da pequena Scout, a leitura fica ainda mais instigante: mesmo sendo bastante madura para sua idade, a garota ainda é bem inocente. Ao ter que lidar com seus próprios problemas da infância, Scout ainda precisa entender qual é o propósito de seu pai e as transformações pelas quais sua família vêm passando.

Resenha: O Sol É Para Todos - Harper Lee

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Além dos protagonistas, os personagens complementares também são importantes. Durante a leitura, conhecemos praticamente o condado inteiro de Maycomb: as mulheres fofoqueiras, os vizinhos, o xerife, as crianças da escola, as famílias que discriminam os negros, o juiz, entre outros inúmeros personagens.

O Sol É Para Todos é um livro múltiplo: aborda temas como a infância, puberdade, injustiça social, direitos humanos, liberdade, racismo, preconceito, transformações, família. Não é à toa que foi vencedor do Pulitzer e que inspirou tantas outras obras. Lendo o livro, comecei a lembrar de filmes com esse mesmo pano de fundo. “Tempo de Matar”, de 1996, com o Matthew McConaughey e Sandra Bullock; “Histórias Cruzadas”, de 2011, com a Emma Stone; até mesmo o “Paperboy”, que resenhei aqui no blog. O mais legal de ler esse tipo de obra é entender sua importância para a literatura e o cinema.

Não vou entrar em detalhes, porque o que eu mais gostei durante a leitura foi não saber exatamente o que esperar. Mas só digo uma coisa: espere uma história emocionante e um aprendizado para a vida!

Resenha: O Sol é para todos

Título original: To Kill a Mockingbird
Autor: Harper Lee
Editora: José Olympio – Grupo Record
Número de páginas: 364
Ano: 2015
Gênero: Romance/Literatura Estrangeira
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vazia


Escrito por:

Isabela Zamboni



Comentários via Facebook

Comentários


Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *