Os 10 melhores livros que eu li em 2016 – Isa

Posso afirmar que 2016 foi um bom ano para leituras: no total li 34 livros, uns muito bons, outros dispensáveis. Mas, como é o último dia do ano, resolvi listar os melhores de 2016! Fica a indicação pra quem quiser conhecer obras interessantes.

1. O Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald

grande gatsby livro capa

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Esse com certeza foi o melhor que li este ano. Já tinha visto os dois filmes, então demorei pra ter coragem de ler O Grande Gatsby. Mas depois que comecei, não conseguia mais parar! O jeito que Fitzgerald narra a trama de Gatsby não tem comparação. Você pode ler a resenha aqui!

2. A Revolução dos Bichos – George Orwell

Resenha: A Revolução dos Bichos - George Orwell

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Esse foi uma releitura de 2016: já tinha lido A Revolução dos Bichos com uns 13 ou 14 anos, mas posso afirmar que a leitura foi bem mais proveitosa agora. A ironia e a crítica desse livro é sensacional. Também tem resenha aqui no blog.

3. O Sol Também se Levanta – Hemingway

Resenha: O Sol Também Se Levanta - Ernest Hemingway

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Esse livro foi uma excelente surpresa neste ano. Eu já tinha lido outros livros de Hemingway, mas não tinha me empolgado muito. Quando terminei O Sol Também se Levanta, eu finalmente compreendi a genialidade do autor, assim como seu estilo narrativo seco e direto. Esse livro traz só boas lembranças e um novo ponto de vista sobre a “geração perdida”. Se quiser saber mais, é só conferir a resenha completa aqui.

4. Enclausurado – Ian McEwan

Resenha: Enclausurado - Ian McEwan

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Último livro que li em 2016, Enclausurado é um livro sensacional, arrepiante e não dá vontade de parar de ler nem por um segundo. Se você ainda não conhece, corre pra conferir! (SÉRIO!) Vem conferir a resenha aqui.

5. Cândido ou o Otimismo – Voltaire

Resenha: Cândido ou o Otimismo - Voltaire

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Um clássico que você deve ler pelo menos uma vez na vida. Não tenho como descrever como essa obra de Voltaire é engraçada e como a narrativa flui tão bem, mesmo sendo um livro de 1759. Vem conferir aqui a resenha.

6. 84, Charing Cross Road (Nunca Te Vi, Sempre Te Amei) – Helene Hanff

Resenha: Nunca Te Vi... Sempre Te Amei (84, Charing Cross Road) - Helene Hanff

Reprodução/The Paper Trail Diary

Infelizmente, não consegui encontrar essa obra traduzida em lugar nenhum. O livro no Brasil está esgotado, então consegui achar em PDF pela internet (não lembro como encontrei, mas consegui de alguma forma haha). Mas 84, Charing Cross Road é um livro somente com cartas entre pessoas viciadas em livros. É incrível! Para conferir a resenha, acesse aqui.

7. Felicidade e outros contos – Katherine Mansfield

Resenha: Felicidade e Outros Contos - Katherine Mansfield

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Nunca havia lido nada da Katherine Mansfield, mas sabia que ela era uma autora que influenciou muitas outras escritoras incríveis, como Virginia Woolf e Clarice Lispector. A coletânea de Felicidade e Outros Contos é uma obra sutil, delicada, mas com grande intensidade. Veja aqui a resenha.

8. O Mundo de Sofia – Josteein Garder

O Mundo de Sofia capa livro

Sim, só li O Mundo de Sofia com 25 anos. Quando era adolescente eu tinha começado, mas nunca terminei. Resolvi dar uma chance e gostei muito! Claro que a parte da historinha mesmo é mais voltada para um público jovem, mas saber um pouco mais sobre a história da filosofia, de uma forma tão didática, foi uma ótima experiência. Depois disso, comecei a pesquisar bem mais sobre filosofia e a cada dia me apaixono mais pelo assunto. Infelizmente não tem resenha, mas se você ainda não conhece, dê uma chance ao Mundo de Sofia!

9. Contos de Fadas – Edição comentada e ilustrada

contos de fadas edição comentada e ilustrada zahar

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Sempre adorei contos de fadas, mas principalmente as histórias originais, que vieram das antigas lendas europeias. Esse livro da Zahar, além de ser uma edição linda de capa dura, com ilustrações da época, contém quase todos os contos de fadas conhecidos e as explicações sobre suas origens. É uma leitura bem rica e cativante. Confira aqui a resenha.

10. A Ignorância – Milan Kundera

Resenha: A Ignorância - Milan Kundera

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Praticamente tudo o que o Milan Kundera escreve eu adoro. É um dos meus autores favoritos, e cada livro dele é uma inspiração. A Ignorância foi um livro que comprei por impulso, sem saber nada sobre a história, mas, como sempre, me apaixonei. O estilo narrativo do autor é tão bom e envolvente que fica impossível não ficar vidrado na história. Confira aqui a resenha.

Esses foram meu TOP 10 do ano, para encerrar 2016 de uma vez por todas. E que 2017 seja um ótimo ano de leituras para todos!

LEIA TAMBÉM

 


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: A Revolução dos Bichos – George Orwell

A Revolução dos Bichos é um livro INCRÍVEL! Eu já havia lido há muuuito tempo – devia ter uns 13 anos na época – e  adorei. Porém, agora com 25, posso afirmar que a leitura foi bem mais prazerosa.

Resenha: A Revolução dos Bichos - George Orwell

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Não tem uma página do livro de George Orwell que não contenha ironia e acidez. É tão descarada a crítica aos regimes extremistas que gera um misto de riso e tristeza no leitor. Sem contar que é também revoltante: cada página você sofre com o absurdo imposto pelos próprios animais a seus companheiros de granja.

Em A Revolução dos Bichos, acompanhamos a trajetória dos bichos da Granja do Solar, que se revoltam contra seu dono, o humano sr. Jones. Jones é o humano típico, que explora o trabalho dos bichos e nunca os oferece nenhum tipo de tratamento adequado, fazendo-os passar fome e trabalharem sem piedade. Porém, liderados pelos ideais de igualdade do porco Major, após sua morte, os bichos finalmente se revoltam, entram em conflito com Jones e conseguem expulsá-lo do local. A partir de então, a Granja do Solar torna-se a Granja dos Bichos.

No início, tudo parece lindo e incrível, até que os porcos – bichos que foram designados os líderes da revolução, por serem mais espertos que os demais – começam a entrar em conflito. Neste momento em diante, a relação de exploração dos próprios bichos será o tema deste livro genial de Orwell.

A edição da Companhia das Letras contém o posfácio de Christopher Hitchens e relatos do próprio Orwell a respeito de sua obra e suas principais referências para criar a história.

Na verdade, nunca tive opiniões políticas claramente definidas. Tornei-me pró-socialista mais por desgosto com a maneira como os setores mais pobres dos trabalhadores industriais era oprimidos e negligenciados do que devido a qualquer admiração teórica por uma sociedade planificada. (p. 142)

Desde 1930, eu vira poucos indícios de que a URSS estivesse avançando na direção de algo que se pudesse chamar de socialismo. Pelo contrário, ficava chocando diante dos sinais claros de sua transformação numa sociedade hierarquizada, em que os governantes não têm mais razão de desistir do poder que qualquer outra classe dominante. (p.144)

O autor ainda explica que tentou esclarecer o mito soviético na Inglaterra: na Rússia havia uma grande atmosfera de censura da imprensa, campos de concentração e prisões sem julgamento, mas ninguém ficava sabendo, pois eram mascaradas pelo regime. Segundo Orwell, “de fato, ao meu ver, nada contribuiu tanto para a corrupção da ideia original de socialismo quanto a crença de que a Rússia é um país socialista e cada gesto de seus governantes deve ser desculpado, quando não imitado”.

Para comprar o livro, é só acessar o link abaixo:

E no livro ele aponta com genialidade o autoritarismo e a corrupção criada pelo poder, mas na pele de animais como porcos e cachorros. Cada bicho representa um arquétipo, descritas com maestria pelo autor. Não quero dar spoilers para quem ainda não leu, então, POR FAVOR, leia agora!

Resenha: A Revolução dos Bichos - George Orwell

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

São muitas frases geniais e separei algumas para esta resenha:

Porque quase todo o produto do nosso esforço nos é roubado pelos seres humanos. Eis, aí, camaradas, a resposta a todos os nossos problemas. Resume-se em uma só palavra – Homem. O Homem é o nosso verdadeiro e único inimigo. Retire-se da cena o Homem e a causa principal da fome e da sobrecarga de trabalho desaparecerá para sempre. (p.12)

Todos os hábitos do Homem são maus. E principalmente, jamais um animal deverá tiranizar outros animais. Fortes ou fracos, espertos ou simplórios, somos todos irmãos. Todos os animais são iguais. (p.15)

Repetiu inúmeras vezes: “Tática, camaradas, tática!”, saltando à roda e sacudindo o rabicho, com um riso jovial. Os bichos não estavam muito certos do significado da palavra, mas Garganta falava de modo tão persuasivo, e três cachorros – que por coincidência estavam com ele – rosnavam tão ameaçadores que eles aceitaram a explicação sem mais perguntas. (p.51)

A vida atualmente era só fome e trabalho, raciocinavam; não seria justo que lhes estivesse reservado um mundo melhor, mais além? (p. 94)

Nada como uma boa releitura! <3

LEIA TAMBÉM

Resenha: A Revolução dos Bichos - George OrwellTítulo original:  Animal Farm
Autor: George Orwell
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 147
Ano: 2007
Gênero: Ficção / Literatura Estrangeira
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela


2 Comentários
Escrito por:

Isabela Zamboni