Resenha: Aokigahara – André Turtelli e Renato Quirino

Resenha Aokigahara - André Turtelli e Renato Quirino

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Quando peguei a HQ Aokigahara na mão, já me impressionei! Sem saber o que iria encontrar no miolo, fiquei hipnotizada pelo estilo do quadrinista Renato Quirino e admirada com os mínimos detalhes dos traços. Já percebi que seria o tipo de história que eu iria gostar, apesar de quase nunca ter lido quadrinhos na minha vida.

Aliás, fazer essa resenha não é uma tarefa fácil pra mim: meu repertório é mínimo em relação a HQs, portanto, me perdoem se usar algum termo ou palavra errada. Mas não é porque não conheço muitas obras que não posso admirar uma que gostei bastante, não é verdade?

Aokigahara me deu a impressão de ser um conto. São poucas páginas, li bem rapidinho e acredito que a intenção dos autores era essa: mostrar uma história sensível, poética, mas sem aprofundar demais no tema ou nos personagens. É aquele tipo de história que passa voando – traz uma mensagem rápida – mas que cria marcas profundas.

Resenha Aokigahara - André Turtelli e Renato Quirino

FOTO: Divulgação / André Turtelli e Renato Quirino

Não vou detalhar a trama, já que o final é uma surpresa e pode estragar a experiência de outros leitores. Mas o que posso dizer é: você vai acompanhar a trajetória de dois personagens que vão para a triste floresta de Aokigahara, no Japão, conhecida como a Floresta dos Suicidas. Como é uma floresta muito densa, com pouco vento e quase nada de vida selvagem, o local é bastante silencioso. Em média, são encontrados 100 corpos (!!!) ao ano por lá, inclusive esqueletos mais antigos. Triste, né? Existem diversos documentários e filmes sobre essa floresta. Melancólico, mas também interessante para entender porque tantas pessoas tiram a própria vida naquele lugar.

Gostei bastante da temática da HQ e achei muito importante falar sobre suicídio, que, por ser um tema muito delicado, ainda é considerado um tabu em muitas culturas. Também adorei como os autores nos fazem sentir a dor dos personagens, ainda que conhecendo-os tão pouco.

O que posso dizer de Aokigahara? É sensível, gentil, mas ao mesmo tempo, toca na ferida. Muito bom mesmo! Isso sem falar na arte em si, que é incrivelmente detalhada e feita com o maior cuidado possível.

Acho que vou começar a ler mais quadrinhos.

PS: A Mel fez uma entrevista ótima com os autores André Turtelli e o Renato Quirino. Confira aqui!

Capa HQ Aokigahara

Título original: Aokigahara
Autor: André Turtelli e Renato Quirino
Editora:
Número de páginas: 32
Ano: 2015
Gênero: HQ
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Entrevista: André Turtelli e Renato Quirino, autores da HQ Aokigahara

No Resenhas, a gente lê de tudo: aqui não rola preconceito literário! Muitas pessoas “torcem o nariz” quando falamos sobre HQ. Uns acham muito infantil (oi?), outros acham perda de tempo. Mas deixa eu te contar um segredo: Aokigahara é muito melhor que MUITOS livros que já li! Portanto, fica a dica: vamos explorar novos mundos literários e descobrir novos gostos!

Conversei com André Turtelli e Renato Quirino, autores da HQ que, como disse acima, vale muuuito a pena! (E já se tornou uma das minhas favoritas!). Confira como foi o nosso bate-papo:

Resenhas: Para quem ainda não conhece, contem um pouco sobre como surgiu a ideia da HQ…

​André: Nós dois fizemos um primeiro trabalho em parceria com um blog que tínhamos entre amigos. Eu fiz o texto e o Renato a ilustração que o complementava. Por conta disso, surgiu a vontade de fazer uma HQ juntos, coisa que os dois gostavam.​ E então acabamos topando com a floresta de Aokigahara na internet, ficamos muito interessados e, após assistir a um documentário da Vice sobre a floresta, decidimos que esse seria o tema da nossa HQ.

Renato: Eu comecei a ler HQ depois de adulto, salvo algumas do Chico Bento. Comecei a trabalhar na mesma empresa que o André, e surgiu a vontade de fazer a própria revista. Depois do blog, do documentário, e de alguns anos, colocamos a ideia no papel.

Resenhas: Acredito que o processo de criação de texto e imagem sejam extremamente diferentes. Como foi para cada um de vocês? Existiu uma rotina de pesquisa e criação?

André: ​No caso do roteiro, foi um processo bem intuitivo. Tinha uma mensagem que eu gostaria de passar e pensei em diversas formas de chegar a isso. Como costumo escrever contos curtos, de início cheguei a várias histórias pequenas. Situações ​e personagens que passariam pela floresta. Conversando com o Renato para definirmos mais ou menos o tamanho da HQ acabei escolhendo meio que duas das ideias que eu havia tido, misturando, e criando algo completamente novo, chegando ao resultado final.

Renato: No começo era para ser uma história BEM curta, 5 páginas, talvez, para jogar na internet. Pesquisamos, conversamos, André rascunhou uns diálogos, eu uns suicidas, e acabamos fechando a revista com 30 páginas. Depois que o André finalizou o roteiro, fiz um rascunho de todas as páginas, para definir o que teria em cada quadro. Depois disso, fiz um documento imenso com referências visuais, tanto da floresta quanto de ambientes urbanos japoneses, roupas, pessoas, comportamento, e comecei a desenhar.

HQ Aokigahara

FOTO: Reprodução / Facebook Renato Quirino

Resenhas: Falar sobre um tema tão pesado como o suicídio, logo na primeira HQ, não assustou vocês?

André: ​Ficamos um pouco receosos sim, na verdade. Após estar quase tudo finalizado, pensamos “imagina alguém se suicida depois de ler essa revista?” e decidimos incluir uma mensagem mais clara no final da revista, para passar uma mensagem bacana, que na verdade é uma das formas de ler a história.

Renato: Quando começamos, nem me dei conta que o tema era pesado. Depois de pesquisar por #aokigahara e ver a quantidade de corpos espalhados pela floresta, comecei a me dar conta da dimensão do problema.

Resenhas: Vocês conseguiram financiar mais de 300% do valor do projeto via Catarse. Vocês indicam esse “caminho” para quem quer publicar de forma independente?

André: Eu, pessoalmente, indico sim. É um modelo de negócio muito bacana, que todos acabam saindo ganhando. Quem quer publicar, consegue. Quem gosta do projeto, já adquire. E ver o pessoal apoiando e compartilhando é ótimo para os criadores, dá uma energia ainda maior para tentar fazer o melhor possível para satisfazer os apoiadores.

Renato: Não indico para qualquer um. Gerir uma campanha no Catarse é uma função trabalhosa, que demanda muito tempo e energia. Não é colocar o projeto no ar e esperar o dinheiro cair na conta. Se você não trabalhar pesado em divulgação, em expandir sua rede de contatos, seu projeto não será financiado. Se você não apresentar um projeto claro e confiante, ninguém vai apoiar. E o pós-campanha é ainda mais trabalhoso. Indico sim, ótima ferramenta, para quem tem vontade e não tem preguiça.

+++ CONFIRA A RESENHA DA HQ AOKIGAHARA

Resenhas: Qual diferencial vocês veem no projeto para ele ter sido tão bem aceito?

Renato: Antes da campanha entrar no ar, muita pesquisa, muita conversa, muitas horas lendo comentários de posts sobre financiamento coletivo. Conseguir definir um público, procurar onde ele está e a melhor forma de abordá-los, para mim é o diferencial. A campanha precisa de uma estratégia, boa vontade não basta.

Resenhas: Além do Catarse, vocês fizeram algumas ações offline para divulgação, como a presença na CCXP. Como foi a receptividade? Uma HQ “do interior” se deu bem “na capital”?

​Renato: Foi o primeiro evento do tipo que eu fui, meu primeiro contato com outros quadrinistas, e não poderia ter sido melhor. Mesmo no fim do sábado, o dia mais movimentado da CCXP, fui super bem recebido em todas as mesas que parei, e a grande maioria das pessoas que conversei já conheciam a Aokigahara. Não senti em nenhum momento a relação interior/capital, acho que esses conceitos já não me fazem mais sentido.

HQ Aokigahara

FOTO: Reprodução / Facebook Renato Quirino

Resenhas: Em quem vocês se inspiram?

​André: Em que vocês se inspiram… Complicado, rs. Difícil pontuar algo assim, acho que eu acabo me inspirando mais em situações que acabo vendo ou ouvindo, reais ou não. Música também é um negócio que me inspira muito, às vezes de uma frase de uma letra de música, sai um texto inteiro.​ Agora se a pergunta for mais para a HQ em si, acho que para o trajeto dos personagens foi uma coisa mais pessoal mesmo, essas questões que a gente acaba sempre levantando, sobre beleza, trabalho, pequeneza, desconhecido, etc. Agora, para a narrativa, minha maior inspiração foi uma peça de teatro que vi na época​​ – eu realmente não me lembro o nome – mas era muito boa, ela tinha essa pegada dos personagens completarem a frase um do outro mas em lugares completamente distintos, mas que criavam uma linha reta e faziam sentido para o espectador​. Queria lembrar o nome mesmo.

Renato: Nas pessoas que vejo na rua.

Resenhas: Quais são os projetos de vocês? Pretendem trabalhar juntos novamente?

​André: Estamos para lançar no começo de julho um livro de contos folclóricos ilustrados, que foi contemplado pelo Programa Municipal de Estímulo à Cultura. São 10 contos meus e 10 ilustrações do Renato. Chama-se “Aconteceu com um amigo dum amigo meu“. É um resgaste das criaturas do nosso folclore para os tempos mais atuais, digamos assim.  Onde estaria o Saci nos tempos modernos? Como seria um Curupira nos dias de hoje? ​É para esse tipo de pergunta que o livro inventa respostas. Além disso, pretendemos fazer outra HQ juntos, sim.

Renato: Além do “Aconteceu com um amigo dum amigo meu“, recentemente ilustrei o “Lobo de Rua“, livro da Janayna Pin que está entre os mais vendidos da categoria na Amazon. Estou escrevendo também o roteiro de uma HQ que vou lançar no FIQ, em novembro. Durante o próximo mês devo começar a mostrar alguns previews no meu instagram.

Resenhas: Como está sendo a recepção do público? Qual feedback vocês já tiveram?

​André: Estamos extremamente felizes com a recepção! Além do feedback ótimo das pessoas que estão perto de nós, várias resenhas elogiando, vídeos/resenhas, foi bem falado em fórum de quadrinhos, pessoas que não conhecemos indicando e elogiando espontaneamente, descobrimos que foi objeto de estudo em uma reunião em uma faculdade na Paraíba, foi “Melhor do Mês” para 3 colunistas do Universo HQ… Enfim, acho que não poderia estar mais feliz e surpreso com a receptividade que a revista está tendo. ​Ainda não apareceu nenhum hater, rs

Renato: O melhor feedback que tive até agora foi do ditchan (avô) da minha mulher, 93 anos, que conferiu as frases em japonês. Tava tudo certo, ele adorou!

Resenhas: Ainda é possível adquirir um exemplar da HQ? Como?

Renato: Sim! Pela internet, vendemos pela Ugra Press. Em São Paulo, tem algumas edições na Monkix (Rua Harmonia, 150, Vila Madalena). Esse ano estaremos com mesa no FestComix (São Paulo – Julho), e no Festival Internacional de Quadrinhos (Belo Horizonte – Novembro). Vendemos pessoalmente também, é só nos procurar! Valeu!

HQ Aokigahara

FOTO: Divulgação / Renato Quirino e André Turtelli


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques