Resenha: O Hobbit – J. R. R Tolkien

Resenha: O Hobbit - J. R. R Tolkien

FOTO: Melissa Marques | Resenhas à la Carte

Decidi que O Hobbit seria minha primeira leitura do ano. Queria algo leve, divertido e, ao mesmo tempo, épico! E eu não poderia ter feito escolha melhor que a história de Bilbo Bolseiro!

Acabei assistindo os filmes d’O Hobbit antes de ler o livro. Não gosto muito de fazer isso (acho que corta a nossa criatividade), mas aconteceu. Por outro lado, achei divertido imaginar as cenas com o ator Martin Freeman (amo!).

Clique abaixo para adquirir seu exemplar:

Um dos personagens que mais me surpreendeu positivamente durante a leitura foi o Gollum (Smeagol). Ele consegue transmitir perfeitamente sentimentos de enclausuramento, loucura, distanciamento social… principalmente se levarmos em conta suas linguagens: falada e corporal. Apesar de ser uma criatura “maligna”, tive pena.

Gollum

Meu maior desapontamento ficou com Gandalf: sou fã do mago nos filmes, mas em O Hobbit… MEU DEUS, QUE PESSOA CHATA! Tenho certa dificuldade com magos que somem e aparecem, deixam enigmas, não respondem o que você pergunta… A situação já não é das melhores e o cara ainda dificulta. HAHAHA (É claro: em diversos momentos ele foi “a salvação” do grupo, mas não é, necessariamente, uma pessoa legal). Talvez a palavra que defina bem a personalidade de Gandalf seria: austero#Polêmicas.

Gandalf

A narrativa de Tolkien é muito fácil de assimilar, pelo menos em O Hobbit (dizem que fica mais “difícil” nos livros d’O Senhor dos Anéis). Tem ótimos diálogos, entonações divertidas (ideais para quem curte ler em voz alta, por exemplo), e descrições na medida certa: nada cansativas, ao contrário, são relevantes e maravilhosas!

Resenha: O Hobbit - J. R. R Tolkien

FOTO: Melissa Marques | Resenhas à la Carte

As músicas e poemas criados para o livro, além de incrementá-lo, são obras à parte, e também emocionam. A tão famosa língua élfica elaborada por J. R. R Tolkien não teve grande destaque na obra – exceto em algumas inscrições no mapa que Gandalf carrega consigo. Espero que nos outros livros o assunto seja mais aprofundado!

O Hobbit é, além de uma incrível aventura, uma história sobre arriscar-se. Sair da zona de conforto (por melhor que ela seja). Abraçar o mundo, sua vastidão e todas as oportunidades fora do Condado 🙂 Deve ser por isso que, mesmo depois de tantos anos após seu lançamento, o livro continua cativando crianças e adultos.

Bilbo Bolseiro

LEIA TAMBÉM

Resenha: O Hobbit - J. R. R Tolkien

 

Título original: The Hobbit
Autor: J. R. R. Tolkien
Editora: WMF Martins Fontes
Número de páginas: 297
Ano: 2011
Gênero: Fantasia / Aventura
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques


[VÍDEO] Livros infantis que adultos vão adorar!

Livros infantis ajudam no desenvolvimento da fala, cognição, imaginação e muito mais! Sem dúvidas, esse gênero literário é supernecessário para as crianças. Mas adultos também podem aproveitá-los para aprender algumas lições valiosas, não é mesmo? Por isso, selecionamos algumas obras incríveis que, sem dúvidas, pessoas de todas as idades vão adorar! Confira:

Resenhas citadas no vídeo:

Coraline – http://resenhasalacarte.com.br/resenha/resenha-coraline-neil-gaiman/

O Dia de Chu – http://resenhasalacarte.com.br/resenha/resenha-dia-chu-neil-gaiman-adam-rex/

LEIA TAMBÉM


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques


[VÍDEO] Livros para empoderar

O assunto do vídeo de hoje é necessário e urgente: o empoderamento feminino! Desbrave esse maravilhoso mundo, aprenda novas terminologias e significados, mude sua visão no dia a dia, e claro: conheça autoras INCRÍVEIS que fazem toda a diferença ao falar (de forma aberta ou não) sobre o feminismo. Confira nossas indicações de “livros para empoderar”:

Resenhas citadas no vídeo:

Laços de Família – http://resenhasalacarte.com.br/resenha/resenha-lacos-de-familia-clarice-lispector/

Vamos Juntas? – http://resenhasalacarte.com.br/resenha/resenha-vamos-juntas-babi-souza/

Americanah – http://resenhasalacarte.com.br/resenha/resenha-americanah-chimamanda-ngozi-adichie/

Felicidade e Outros Contos – http://resenhasalacarte.com.br/resenha/resenha-felicidade-e-outros-contos-katherine-mansfield/

LEIA TAMBÉM


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques


Resenha: Na Natureza Selvagem – Jon Krakauer

Resenha: Na Natureza Selvagem - Jon Krakauer

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Já resenhei esse livro na rua para tantas pessoas que me sinto sendo repetitiva ao falar dele aqui no blog. Mas Na Natureza Selvagem é assim: gera interesse em todo mundo. Pouco importa se você concorda ou não com a visão de mundo de Chris McCandless. Uma coisa é certa: você, provavelmente, vai querer saber mais e mais sobre ele.

Meu primeiro contato com a história de Chris foi através do filme Na Natureza Selvagem. Sei que a ideia não é falar sobre filmes por aqui, mas vale um parêntese: assistam hoje mesmo! Que filme sensível e emocionante! Aquela história ficou na minha mente por dias e, aquelas 2h30 de filme não foram suficientes para mim.

Clique para comprar:

Fui atrás e descobri que o famoso jornalista Jon Krakauer (Autor do sucesso No Ar Rarefeito) havia escrito uma biografia póstuma sobre McCandless. Demorei um tempo até começar a ler Na Natureza Selvagem e, acreditem, foi bastante penoso.

Como herança do jornalismo, o texto de Jon mostra diversas “facetas” dos fatos, entrevista fontes, descreve minuciosamente as paisagens. E isso torna o livro extremamente rico em detalhes, apesar das poucas páginas. Inclusive, o autor arrisca em abordar questões intrínsecas à Chris McCandless que possam tê-lo levado a se aventurar na natureza selvagem.

O importante é que, apesar do clichê, ele precisou estar perdido para se encontrar. Em uma das passagens do livro, o autor explica o pano de fundo da famosa frase “Felicidade só é real quando compartilhada” (p. 197).

Resenha: Na Natureza Selvagem - Jon Krakauer

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Durante o período de afastamento social, Chris McCandless tornou-se Alexander Supertramp, “senhor de seu próprio destino” (p.34), e deixou anotações – como um diário – esparsas nos livros que levou consigo para a viagem.

O autor, Jon Krakauer, é alpinista e carrega um grande bagagem sobre escaladas e aventuras, por isso, muitas vezes, acaba envolvido demais com a história e apela para o lado emocional. Em certo momento do livro, ele acaba citando algumas de suas histórias e de outros nômades que, por algum motivo, acabaram se embrenhando pela mata. Porém, é nesse ponto que Na Natureza Selvagem torna-se lento.

Para a produção de Na Natureza Selvagem, Jon praticamente refaz o caminho do garoto e, inclusive, entrevista pessoas que tiveram contato com McCandless. É aflitivo ler sobre as dificuldades que Cris passou, os erros que cometeu, o julgamento dos nativos, os problemas familiares… E tudo isso é exposto de forma bem clara na narrativa. Um livro reportagem bem completo, aliás.

COMPLEMENTO

 – A soundtrack do filme foi produzida inteiramente por Eddie Vedder (Pearl Jam):

LEIA TAMBÉM

Resenha: Na Natureza Selvagem - Jon Krakauer

Título original: Into the Wild
Autor: John Krakauer
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 213
Ano: 1998
Gênero: Biografia
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vazia


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques


Resenha: Capitu vem para o jantar – Denise Godinho

Resenha: Capitu vem para o jantar - Denise Godinho

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Já pensou em um projeto que una literatura e gastronomia? Esta é a ideia de Capitu vem para o jantar, que surgiu do blog homônimo, atualizado pela jornalista Denise Godinho. Segundo ela: “Decidi aprender a cozinhar e, para a empreitada ser mais interessante, vou fazer as receitas que estão escondidas dentro dos livros“.

O conceito que o livro me passou foi o de uma obra culinária, mas com uma pegada mais “popular”. As páginas são diferenciadas – mais grossas, assim como os famosos livros de receitas – e o projeto gráfico é bem elaborado: bastante jovial, alegre e colorido.

Clique abaixo para adquirir seu exemplar:

Um ponto que deixou a desejar foi o de que muitas das receitas presentes no livro não tiveram fotos produzidas para ele. Acabaram utilizando fotos do acervo da autora que, provavelmente, vieram do blog e do Instagram (algumas contém até os famosos filtros da rede social).

Acredito que uma obra tão legal merecia um preparo melhor da apresentação dos pratos, afinal, um livro culinário é para “comer com os olhos“, não é mesmo?

Resenha: Capitu vem para o jantar - Denise Godinho

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Além disso, as receitas vêm depois do texto, o que causou um certo estranhamento. Geralmente, temos o título da receita, a foto e as informações da receita (ingredientes, preparo etc), né? Mas em  Capitu vem para o jantar a ordem acabou um pouco diferente.

As receitas são bem diversificadas: entradas, pratos principais, drinks e bebidas, e claro: sobremesas! Achei o livro completo nesse quesito.

Outro ponto a favor da obra foi a pesquisa feita por Denise para contar sobre a história dos pratos, dos ingredientes, e dos hábitos culinários dos autores de cada livro citado na obra. Sem dúvidas, essas informações deixaram Capitu vem para o jantar mais redondinho.

Resenha: Capitu vem para o jantar - Denise Godinho

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Minhas receitas preferidas foram o Bolinho de Limão (O Grande Gatsby), o Sanduíche de Queijo Suíço e Leite Maltado (O Apanhador no Campo de Centeio) e o Frango Assado (Drácula). E as suas? Me conta nos comentários!

LEIA TAMBÉM

Resenha: Capitu vem para o jantar - Denise GodinhoTítulo original: Capitu vem para o jantar
Autora: Denise Godinho
Editora: Verus Editora
Número de páginas:
Ano: 2016
Gênero: Culinária
Nota: EstrelaEstrelaestrela vaziaestrela vaziaestrela vazia


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques


Página 3 de 1512345...10...Última »