[VÍDEO] Livros do Stephen King para começar a ler já!

Vocês já sabem que aqui no Resenhas somos viciadas nos livros do Stephen King! E aproveitando que estão saindo váários lançamentos de filmes e séries baseados nos livros do autor – Incluindo A Torre Negra, It – A Coisa e a série de O Nevoeiro – selecionamos algumas dicas para quem ama o mestre do horror!

stephen king gif

Assista ao vídeo e depois conta pra gente: qual seu livro favorito do Stephen King?

Livros citados no vídeo:

Você também pode gostar de:


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


11 livros de terror que você precisa começar a ler já!

Você gosta de livros de terror/suspense como eu? Então não pode perder a lista abaixo! Se você está à procura de um terror muito bom ou de um livro que vai te arrepiar, confira nossas indicações!

1 – Misery – Stephen King

Resenha: Misery - Stephen King

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Um ótimo suspense, que arrepia até a alma. O livro é facinho de ler, empolgante e a personagem principal Anne Wilkes é louca de pedra! Eu já fiz resenha de Misery aqui no blog e conto tudinho pra vocês! 🙂 Um livro de terror que deve estar na sua lista de livros-medonhos-para-ler.

2 – Assovie Que Virei: Histórias de Fantasmas – M.R. James

livros de terror que você precisa começar a ler já!

Divulgação

Esse livro foi traduzido recentemente pela Editora Penalux no Brasil e traz contos de terror sensacionais. O autor M.R. James é considerado um dos melhores autores da literatura sobrenatural, graças a seu método e estilo distintos.  De acordo com a sinopse do livro, “os cinco pequenos contos reunidos nesse volume mostram que o autor e professor de inglês M. R. James era mestre: as histórias de fantasmas que ele nos apresenta brotam do mais corriqueiro cotidiano, sem pirotecnias estilísticas, transformando o comum, pouco a pouco em algo simplesmente insuportável.” Logo, logo, tem resenha no blog!

3 – Aura – Carlos Fuentes

Resenha: Aura - Carlos Fuentes

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Esse é um conto bem assustador do Carlos Fuentes. Sabe aquela atmosfera lúgubre, em uma casa estranha, com pessoas mais bizarras ainda? Os acontecimentos desse livro deixam um certo incômodo na hora de ler, o que deixa a experiência muito boa. Também já resenhei aqui no blog e você pode conferir mais detalhes!

4 – O Cemitério – Stephen King

11 livros de terror que você precisa começar a ler já!

Divulgação

Sabe aquela velha história de pessoas que moram em cima de um cemitério indígena? Esse “clichê” do terror serve perfeitamente para esse livro mórbido do Stephen King. Além de terror e suspense, ainda é um drama sobre vida e morte. Na trama,  Louis Creed, um jovem médico de Chicago, acredita que encontrou seu lugar em uma pequena cidade do Maine. A boa casa, o trabalho na universidade e a felicidade da esposa e dos filhos lhe trazem a certeza de que fez a melhor escolha. Num dos primeiros passeios pela região, conhecem um cemitério no bosque próximo à sua casa. Ali, gerações de crianças enterraram seus animais de estimação. Mas, para além dos pequenos túmulos, há um outro cemitério. Uma terra maligna que atrai pessoas com promessas sedutoras. Um universo dominado por forças estranhas capazes de tornar real o que sempre pareceu impossível.

Para comprar o livro, você pode clicar aqui.

5 – Coraline – Neil Gaiman

livro coraline neil gaiman

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Coraline é um livro sensacional do Neil Gaiman! A história chega perto de ser uma adaptação de Alice no País das Maravilhas, mas com um lado bem mais “dark”. Apesar de não ser tão “pesado” – o público-alvo é infanto-juvenil – é de dar arrepios naqueles que curtem uma boa trama de suspense e terror, principalmente quem curte criaturas estranhas/maquiavélicas. Eu já resenhei Coraline aqui no blog também, para conferir é só acessar aqui.

6 – O Clube do Suicídio e Outras Histórias – Robert Louis Stevenson

11 livros de terror que você precisa começar a ler já!

Divulgação

O estilo de Stevenson retrata fielmente a era vitoriana: as histórias de O Clube do Suicídio envolvem situações estranhas vividas por membros da alta sociedade e mostram o contraste e a desigualdade da sociedade britânica. Os textos reunidos aqui retratam personagens que, movidos por vaidade, ambição, ódio ou mera curiosidade, se veem diante de situações embaraçosas e complexos conflitos morais. Com contos sinistros e pra lá de interessantes, essa coletânea é imperdível para quem curte um terror mais sutil.

7 – Frankenstein – Mary Shelley

Resenha: Frankenstein

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Pensa num livro sensacional! Quando comecei Frankenstein, não queria mais parar! É um clássico e deve ser lido com certeza: as escritas em diário são fantásticas e o estilo de Mary Shelley impecável. O terror aqui é tanto psicológico como “palpável” e merece diversas releituras. Para saber mais detalhes, é só acessar a resenha que fiz aqui no blog.

8 – O Homem Invisível – H.G. Wells

O Homem Invisível - H.G. Wells

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Não sei se é possível considerar “O Homem Invisível” como terror ou ficção científica, mas foi um livro que me aterrorizou. O protagonista é uma pessoa horripilante e cada atitude sua me dava um ~medinho~. Os questionamentos que o livro aponta também trazem um mal-estar, então, indico como livro de terror, principalmente para quem tem receio de tecnologias que vão além da nossa capacidade de compreensão. Leia a resenha completa aqui!

9 – O Corvo – Edgar Allan Poe

11 livros de terror que você precisa começar a ler já!

Profeta, ou o que quer que sejas!
Ave ou demônio que negrejas!
Profeta sempre, escuta: Ou venhas tu do inferno
Onde reside o mal eterno,
Ou simplesmente náufrago escapado
Venhas do temporal que te há lançado
Nesta casa onde o Horror, o Horror profundo
Tem os seus lares triunfais,
Dize-me: existe acaso um bálsamo no mundo?”
E o corvo disse: “Nunca mais”.

Não tem como citar terror sem falar de Edgar Allan Poe! O poema “O Corvo” é o trabalho mais famoso do autor e um dos mais importantes. No entanto, ele também é um excelente contista e suas histórias já foram interpretadas muitas e muitas vezes na TV e no cinema. Eu já li o Assassinatos na Rua Morgue e gostei demais do estilo de Poe. Se você quiser ler “O Corvo” completo, é só clicar aqui.

10 – A Volta do Parafuso – Henry James

Resenha: A Volta do Parafuso

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

“A Volta do Parafuso” (ou “A Outra Volta do Parafuso“) é um daqueles livros que quando você lê pela primeira vez, tem uma certa impressão. Quando lê a segunda, outra totalmente diferente. Quando fiz a resenha desse livro aqui no blog, eu não fiz comentários muito positivos. Porém, depois de ler alguns textos de apoio, ver adaptações cinematográficas e até discutir sobre o livro com outras pessoas, percebi que ele é bom demais! São tantas interpretações diferentes e tantas “pistas” que o autor dá durante a obra que a cada releitura fica mais interessante.

O livro conta a história da jovem filha de um pároco que, iniciando-se na carreira de professora, aceita mudar-se para a propriedade de Bly, em Essex, arredores de Londres. Seu patrão é tio e tutor de duas crianças, Flora e Miles, cujos pais morreram na Índia, e deseja que a narradora (que não é nomeada) seja a governanta da casa de Bly. Ao chegar a Essex, a jovem logo percebe que duas aparições, atribuídas a antigos criados já mortos, assombram a casa.

11 – O Grande Deus Pã – Arthur Machen

Resenha: O Grande Deus Pã - Arthur Machen

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Outro livro bom de terror é “O Grande Deus Pã“, do autor Arthur Machen. Eu recebi esse livro da Editora Penalux e foi uma ótima surpresa! Ele lembra bem aquele estilo do Henry James e do Robert Louis Stevenson (que já citei nesse post) e traz um terror psicológico bem diferente. Na obra, que foi publicada em 1898, Machen conta a história de um médico que inventa uma nova cirurgia cerebral e permite ao ser humano ver o Outro Lado da realidade – um processo conhecido pelos antigos e que eles chamavam de “ver o Deus Pã”. É uma obra que aborda os limites da tecnologia e da ambição humana – e vale muito a pena!

Eu ia citar mais livros do Stephen King, mas achei que a lista ia ficar muito grande! E vocês, recomendam mais algum terror bacana? Deixem as sugestões nos comentários 🙂

LEIA TAMBÉM


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: O Médico e o Monstro – Robert Louis Stevenson

Depois que assisti à série Penny Dreadful – que infelizmente já acabou, e eu AINDA NÃO SUPEREI – fiquei com ainda mais vontade de reler ou conhecer livros voltados para o terror na era vitoriana (que específica!). Foi pensando nisso que resolvi reler O Médico e o Monstro, do autor escocês Robert Louis Stevenson. Eu li quando ainda era adolescente, então não me lembrava de praticamente nada. Mas foi bom ter relido agora e vou contar pra vocês o porquê!

Resenha: O Médico e o Monstro - Robert Louis Stevenson

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Depois de ler Frankenstein, Drácula, e livros do H.G. Wells, agora foi a vez de conhecer a história do Dr. Jekyll e Mr. Hyde, que já virou referência para diversas de narrativas de terror. Esse estilo de literatura foi gerada pelo crescente desenvolvimento científico no século XIX: é uma reminiscência da literatura gótica (ou de terror) com temas que assombravam as pessoas na era vitoriana. Obras como as já citadas nesse parágrafo exploravam um terror mais moderno e científico, envolvendo tecnologia e aparelhos, como trens, máquinas de escrever e etc. Obras como Drácula, Frankenstein e o Médico e o Monstro estão dentro de uma época específica – entre 1760 e 1820 – em um período que consta como a passagem do neoclassicismo para o romantismo.

Enfim, depois de contextualizar, agora é a hora de falar um pouquinho sobre O Médico e o Monstro. Apesar de eu AMAR esse estilo literário, o livro de Stevenson foi o que menos me agradou. Ele mais parece um conto do que um romance – é bem curtinho, 112 páginas – e realmente trata de um assunto interessante e misterioso.

O estranho Mr. Hyde é um homem abominável e pavoroso, mas que tem “passe livre” para a casa do famoso Dr. Jekyll, um respeitado homem da sociedade. Cabe ao advogado Mr. Utterson desvendar o motivo pelo qual seu amigo Jekyll é amigo de Mr. Hyde, um possível criminoso e ser aterrorizante.

Enfim, é basicamente isso. Por ser uma história bem conhecida, você já começa a leitura sabendo do final, mas, fora isso, é uma boa experiência, porém, sem nada de muito empolgante.

Resenha: O Médico e o Monstro - Robert Louis Stevenson

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Adoro a linguagem utilizada por Stevenson, um cavalheirismo absurdo, típico do Reino Unido. As descrições são poucas, porém precisas, e a narrativa flui muito bem. O ponto alto do livro é o final, com duas cartas (outro elemento comum nesse estilo de literatura) que explicam basicamente tudo o que o Dr. Jekyll estava passando, assim como suas descobertas científicas.

Aqui encontramos um embate psicológico do personagem, que tenta justificar seus erros afirmando que finalmente ele se sentia livre das amarras da sociedade e da sua personalidade corretíssima. É uma reflexão pontual e interessante, trazendo muito valor à obra. Porém, como já comentei, nada muito tocante.

Claro que precisamos levar em consideração que não vivemos mais naquela época de medo e incertezas – ou vivemos ainda? –  por isso o contexto pode não trazer tanta familiaridade. No entanto, esse livro é, sim, muito bom, mas que pode passar batido em relação a outros tão melhores, como é o caso de Frankenstein. Por isso, a obra de Stevenson deve ser lida e contemplada, mas, pelo gosto pessoal, foi um livro que não me tirou do lugar-comum.

Quer comprar o livro? É só acessar o link abaixo:

LEIA TAMBÉM

Resenha: O Médico e o Monstro - Robert Louis StevensonTítulo original: Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde
Autor: Robert Louis Stevenson
Editora: L&PM Pocket
Número de páginas: 112
Ano: 2002
Gênero: Terror
NotaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vaziaestrela vazia


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: Misery – Stephen King

Como sempre, não me arrependi de ter escolhido mais um livro do Stephen King para ler!

Quando comprei Misery – Louca Obsessão eu já tinha assistido ao filme (com a incrível Kathy Bates) e lembrava bastante da história. Demorei, demorei, então resolvi no finalzinho das minhas férias devorar de vez, já que os livros do King, mesmo com muitas páginas, são fáceis para ler rapidinho.

Resenha: Misery - Stephen King

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Em Misery, o escritor Paul Sheldon sofre um acidente de carro e é encontrado na beira da estrada por Anne Wilkes, uma ex-enfermeira que se diz sua fã número 1. Sheldon é escritor de romances populares e conquistou a fama com a saga de livros da personagem Misery.

Anne sequestra Paul, o tranca em um quarto e obriga-o a reescrever o final de Misery. Enquanto ele não ressuscitar a personagem que ele “matou” no último livro da saga, ele ficará preso. Mas, é claro que durante esse cárcere de Paul, ele irá descobrir muitas coisas horrorosas sobre Wilkes e sofre inúmeros abusos físicos e psicológicos.

Gif Misery

Mesmo assistindo ao filme antes, claro que o livro iria conter detalhes interessantes e uma trama de tirar o fôlego. Quanto mais eu lia, mais eu queria continuar. Os absurdos que Anne faz com Paul e a tensão recorrente da tentativa de escapar daquela casa deixa a leitura ainda mais interessante.

Em uma parte específica da história, quando Paul descobre detalhes sobre o passado da louca Anne Wilkes, é o ponto alto do livro. Ao saber mais sobre a vida dessa “fã fiel” e psicopata, a vontade de chegar até o fim das 326 páginas é ainda maior. E para dormir depois? Nada fácil, meus amigos.

Não é um terror muito forte, nada que vá te dar um medo absurdo, mas algumas partes são um pouco chocantes. Tratando-se de psicopatas, é difícil não ficar um pouco desconfortável durante a leitura, mas, afinal, é o Stephen King, certo? Prepare-se!

Resenha: Misery - Louca Obsessão Stephen King

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Gostei de reconhecer algumas referências do livro Sobre a Escrita (que já resenhei aqui no blog) e lembrar de muitas coisas que o autor comentou naquela obra sensacional. E, inclusive, em Misery, há referência até mesmo do Iluminado. Muito bom!

LEIA TAMBÉM

Resenha: Misery - Stephen KingTítulo original: Misery
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Número de páginas: 326
Ano: 2014
Gênero: Terror/Suspense
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vazia


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: Drácula – Bram Stoker

Eis a resenha do primeiro livro finalizado em 2016: Drácula, de Bram Stoker.

O livro é composto por cartas, diários, notícias de jornais e correspondências de diversos tipos. Durante as mais de 600 páginas, acompanhamos a história de Lucy, Mina, Jonathan, Van Helsing, Arthur, Quincey e Dr. Seward, além, é claro, Conde Drácula. Muitos pontos de vista diferentes relatam a trajetória desse grupo tentando acabar com o vampiro, que durante à noite invade o quarto das mocinhas para sugar seu sangue.

Resenha do livro drácula de bram stoker

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

O começo do livro é bem interessante: acompanhamos Jonathan a caminho do castelo do Drácula, na Transilvânia. Toda a trajetória é obscura, misteriosa e, junto com o personagem, não fazemos ideia do que está prestes a acontecer. Chegando a seu destino, Jonathan aos poucos percebe que tornou-se um prisioneiro e que o respeitável Conde Drácula não é o que parece ser. Muitos momentos de tensão deixam o livro divertido e instigante, o que fez eu me apaixonar pela leitura e devorar as primeiras 200 páginas da obra de Stoker.

As descrições são tão realistas que ao buscar no Google os locais descritos pelo autor, eram exatamente como eu havia imaginado. O clima sombrio, a paisagem obscura e repleta de neblina, névoas e tempestades, transformam o livro em um verdadeiro terror. Aos poucos, vamos desvendando o mistério do vampiro e conhecendo suas principais características, tão comuns hoje no imaginário popular. Estaca de madeira no peito, alho, hóstia sagrada, cruz, luz do sol… Inúmeras formas de acabar com o monstro que todos já conhecem.

A obra de Bram Stoker contém muitos “recados” nas entrelinhas, mostrando sutilmente o teor erótico dos monstros que sugam sangue de suas vítimas. Em uma época permeada pelos “bons costumes cristãos”, a população emanava o medo de sucumbir aos seus desejos mais íntimos. Diversos trechos do livro apontam para certos preconceitos de Stoker (como quando descreve o povo eslovaco, os ciganos e até norte-americanos) e a amabilidade exagerada das mulheres: Mina e Lucy são endeusadas a um ponto que chega a irritar.

Resenha do livro drácula de bram stoker

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Em certo momento do livro, fica complicado de continuar a leitura com a mesma empolgação do início. Há muita prolixidade na escrita de Stoker e a leitura não flui. Sofri muito para conseguir terminar, porque o livro se delonga em alguns trechos que não acrescentam nada à história. Por se tratar de um livro do romantismo, da época vitoriana, a linguagem utilizada pelo autor é rebuscada e cansativa. É preciso ter paciência e compreender o contexto histórico da época para absorver o livro e não ter vontade de pular algumas páginas.

A edição da Penguin que eu li é bem completinha. Contém um número considerável de notas de rodapé e uma introdução excelente, com uma pequena biografia do autor e alguns ensaios sobre a era vitoriana, o contexto histórico e os motivos que levaram Stoker a escrever Drácula.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

Engraçado que Frankenstein, um livro da mesma época, me cativou bem mais do que Drácula  considero que Mary Shelley fez um trabalho mais competente com sua narrativa de terror. Mas nada disso tira o mérito de um clássico como Drácula, que deve ser lido por todos os fãs da literatura universal.

LEIA TAMBÉM

Resenha livro Dracula

Título original:  Dracula
Autor: Bram Stoker
Editora: Penguin/Companhia das Letras
Número de páginas: 648
Ano: 2014
Gênero: Romance
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vazia


2 Comentários
Escrito por:

Isabela Zamboni