Resenha: O Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald

Deu pra perceber que estou no clima dos clássicos ultimamente – e por conta disso, não pude deixar de ler O Grande Gatsby, esse livro incrível eternizado por Fitzgerald. Eu já havia conferido os dois filmes (com o Robert Redford, de 1974 e com Leonardo DiCaprio, de 2013), mas demorei para ler o livro. Posso afirmar que é maravilhoso e não importa se você já conhece a história – a obra de Fitzgerald vai te prender do começo ao fim.

grande gatsby livro capa

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

O livro é bem curtinho – nessa minha edição da Penguin, quase 60 páginas são de textos de apoio e o restante é a trama narrada por Nick Carraway. O narrador em O Grande Gatsby é essencial e, por meio do ponto de vista de Nick, acompanhamos os enlaces dos personagens Jay Gatsby, Daisy, Tom Buchanan e Jordan Baker.

Nick é um jovem que saiu do Meio Oeste para trabalhar em Nova York como corretor de títulos. Chegando à cidade, descobre que é vizinho do famoso Gatsby, generoso e misterioso anfitrião que abre a sua luxuosa mansão às festas mais extravagantes. Gatsby é apaixonado por Daisy, prima de Nick, que é casada com o aristocrata esnobe Tom Buchanan.

+Leia também: Resenha de O Sol Também se Levanta – Hemingway

O livro retrata com maestria a era do jazz, onde a riqueza parece estar em toda parte. O gim é a bebida nacional (apesar da lei seca) e o sexo está “pegando fogo”. No personagem de Gatsby, que conhecemos aos poucos pelo ponto de vista de Nick, vemos um homem abalado, frágil, mas que faz de tudo para recuperar o passado e reviver uma antiga paixão.

Fitzgerald faz críticas ferozes à aristocracia norte-americana, assim como às pessoas fúteis que frequentavam as festas de Gatsby sem conhecê-lo. O tempo todo somos apresentados à uma sociedade hipócrita, que se diz repleta de moral e bons costumes, mas que na verdade não passa de egoístas inveterados.

Resenha: O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald

O personagem de Gatsby é misterioso, intrigante e encanta a todos com seu charme, especialmente seu sorriso, citado várias vezes pelo narrador. Conseguimos compreender a dor deste homem que passou por múltiplas provações em sua vida, assim como também nos revoltamos com suas atitudes obsessivas e, muitas vezes, cegas.

Fitzgerald faz um retrato pessimista da América, mas ressalta aspectos importantes da cultura e sociedade da década de 1920. Nas comparações entre os bairros nobres e o “bairro das cinzas”, onde residem as classes de renda inferior, o autor consegue cutucar a ferida e sensibilizar o leitor.

Leia também: Resenha de O Velho e o Mar – Hemingway

A personagem de Daisy é, como o próprio Gatsby e Nick ressaltam, “a voz da riqueza“. Uma garota nascida em berço de ouro, desejada por todos os homens ao seu redor, que nunca passou por grandes dificuldades. No entanto, essa mulher aparentemente ingênua e infeliz, aceita as traições de seu marido para manter seu alto padrão de vida em uma casa luxuosa.

Resenha: O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald

A narrativa é deliciosa e lemos o livro de uma só vez (dependendo do tempo que você tiver disponível, claro). Dos autores da “geração perdida” – termo criado por Gertrude Stein para designar os autores norte-americanos da geração de 1883 a 1900 – Fitzgerald é um dos meus favoritos, tanto pela sua sutileza quanto pela suavidade de suas palavras. O final de O Grande Gatsby é uma facada bem dolorida. Quando encerrei a leitura, não sabia se chorava ou se ficava maravilhada. Ou seja: já entrou para os livros favoritos da vida! 

grande gatsby livro capa

Título original: The Great Gatsby
Autor: F. Scott Fitzgerald
Editora: Penguin Companhia
Número de páginas: 256
Ano: 2011
Gênero: Romance/Literatura Estrangeira
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: Nunca Te Vi… Sempre Te Amei (84, Charing Cross Road) – Helene Hanff

Em primeiro lugar, antes de começar esta resenha, queria deixar bem claro como fiquei indignada com a tradução do título 84, Charing Cross Road para Nunca Te Vi… Sempre Te Amei. Além de não fazer o menor sentido, o livro NÃO é sobre uma história de amor! É tudo tão errado nesse título, que já queria esclarecer logo de início: não espere aqui uma melação ou nada parecido – 84, Charing Cross Road é um livro sensacional, cativante, empolgante e que já entrou pra minha lista dos favoritos.

+ Leia também: Resenha de Drácula – Bram Stoker

Ele é bem curtinho, pouco mais de 100 páginas, mas traz uma sensação tão deliciosa! O livro é composto apenas por cartas: tudo começa quando a nova-iorquina Helene Hanff escreve uma carta para a livraria “Marks & Co.” localizada em 84, Charing Cross Road, Londres. Na primeira correspondência, ela pede o exemplar de um livro que ela gostaria de ter, já que é fanática pela literatura inglesa e não está interessada nas “edições horríveis” norte-americanas.

Quem responde suas cartas é Frank Doel, um dos funcionários da loja de livros usados. Aos poucos, satisfeita com o atendimento, os pedidos de Helene por livros raros aumentam, assim como a quantidade de cartas trocadas com os funcionários da Mark & Co. Dessa forma, a cada carta, vemos as formalidades sumindo e laços de amizade se formando.

Nunca foi tão divertido ler as correspondências de outra pessoa. Parece muito invasivo, mas é interessante como Helene consegue transformar um romance epistolar em algo tão singelo e de bom humor. Fanáticos por livros vão se identificar com as cartas de Helene, que sente uma necessidade absurda de edições raras, charmosas e com textos originais. Frank Doel é um homem educadíssimo, atencioso e polido, enquanto Helene não tem medo de dizer o que pensa e adora um sarcasmo.

+Leia também: Resenha de Contos de Fadas – Edição Comentada e Ilustrada

No livro, a troca de correspondências de Helene não é somente com Frank, mas com sua esposa, outros funcionários da Marks & Co. e até mesmo de outros amigos que estavam de passagem por Londres. Ela, como roteirista e escritora de livros infantis, não conseguia juntar dinheiro o suficiente para conhecer seus amigos londrinos. Então, por 10 anos lemos as cartas trocadas por essas pessoas, quase como se fôssemos amigos íntimos de todos. E, claro, dá muita vontade de comprar uma ediçãozinha na livraria de 84, Charing Cross Road.

Resenha: Nunca Te Vi... Sempre Te Amei (84, Charing Cross Road) - Helene Hanff

Reprodução/National Library of Australia, Alec Bolton

Descobri ao final do livro que essas cartas foram verdadeiras e essa livraria realmente existiu, assim como Frank Doel, sua esposa e outras pessoas que escrevem cartas para Helene, essa bibliófila que vive como escritora freelancer e junta cada moedinha para poder pagar o aluguel. E até mesmo, quem sabe, visitar Londres algum dia no futuro.

Existe um filme de 1987 muito famoso baseado nesse livro, com Anthony Hopkins e Anne Bancroft nos papéis principais. Ainda não assisti, mas já está na fila!

Uma coisa que me entristeceu foi que esse livro é uma raridade em sebos e quase não existem edições para comprar. Ele não foi reeditado por aqui e só é possível encontrar o livro em inglês por um preço salgado. Eu consegui ler porque achei em PDF, mas queria MUITO a versão física. Editoras, por favor, relancem esse livro!

Resenha: Nunca Te Vi... Sempre Te Amei (84, Charing Cross Road) - Helene Hanff

Título original: 84, Charing Cross Road
Autora: Helene Hanff
Editora: Penguin Books
Número de páginas: 112
Ano: 1970
Gênero: Epistolar
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela


2 Comentários
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: Contos de Fadas – Edição Ilustrada e Comentada

Venho namorando esse livro desde 2011, quando participava de um grupo de estudos na faculdade sobre literatura. Na época não comprei, mas depois de anos, encontrei Contos de Fadas no Kindle Unlimited e comecei a ler despretensiosamente. Gostei demais e, não satisfeita com o ebook, comprei a versão capa dura da Zahar. Valeu cada centavo!

contos de fadas edição comentada e ilustrada zahar

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Em primeiro lugar, para quem ama as animações clássicas da Disney, esse livro é um prato cheio. Em Contos de Fadas encontramos as versões originais de diversos contos, como Branca de Neve, Cinderela, A Bela e a Fera, Pequena Sereia, e por aí vai. Também podemos conferir outros clássicos como Patinho Feio, Gato de Botas, Cachinhos Dourados etc. No entanto, se engana quem pensa que este é um livro feito para crianças. Na verdade, este livro destrincha os contos de fadas que conhecemos, contando suas origens, interpretações e múltiplos significados.

+Leia também: Resenha de A Bela Adormecida – Neil Gaiman e Chris Riddell

A edição contém notas de rodapé de Maria Tatar, que traz informações relevantes e interessantíssimas sobre o contexto histórico da época em que essas histórias eram contadas. Os contos de fadas têm sua origem na tradição oral, são beeem antigos e quase todos oferecem algum tipo de ensinamento ou moral.

contos de fadas edição comentada e ilustrada zahar

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Alguns contos foram sensacionais. Eu não fazia ideia da história original da Pequena Sereia e gostei muito mais do que a versão da Disney, que tirou a parte crucial do conto. Não vou contar, porque não quero dar spoiler! Outro conto que eu não conhecia e que gostei bastante foi o Barba Azul. É bem pesado, mas adorei! Hahaha!

Conforme avançamos no livro, percebemos como muitos contos são parecidos e tratam praticamente da mesma história. Os contos são adaptados para cada povo, cada país e, dessa forma, muitas vezes são repetitivos. Porém, isso não tira seu mérito – é um livro delicioso de ler!  As páginas fluem e podemos ficar horas e horas sem parar, desfrutando dos contos.

+Leia também: Resenha de Retalhos – Craig Thompson

O bacana dessa edição da Zahar é sua alta qualidade. As ilustrações são feitas por artistas que viveram no começo do século XIX e até anteriormente, acrescentando a visão daquela época aos contos. O projeto editorial é incrível: a fonte utilizada, a qualidade do papel, tudo feito com muito cuidado.

contos de fadas edição comentada e ilustrada zahar

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

No final, ainda encontramos uma pequena biografia dos autores dos contos, como Hans Christian Andersen e Charles Perrault, e também dos ilustradores, como Gustave Doré e Walter Crane. 

Eu me apaixonei por esse livro e recomendo a todos! Nada melhor do que reviver os clássicos da infância e conhecer um pouquinho mais sobre cada um! 🙂

contos de fadas edição comentada e ilustrada zahar

Título original: The Annotated Classic Fairy Tales
Autora: Maria Tatar (edição, introdução e notas)
Editora: Zahar
Número de páginas: 452
Ano: 2013
Gênero: Contos
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela


1 Comentário
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: Retalhos – Craig Thompson

Já faz algum tempo que estou com vontade der ler mais HQs e Graphic Novels. Mas, como não sabia nem por onde começar, dei uma pesquisada e encontrei críticas positivas de Retalhos, de Craig Thompson. Então, encontrei a versão digital e comecei a ler. O engraçado é que foi muito diferente do que eu estava imaginando, mas a surpresa foi ótima!

retalhos craig thompson

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Retalhos é um romance de formação, uma história incrível com belas ilustrações, ritmo fluido, personagens complexos e de uma sutileza fantástica. Nesta Graphic Novel, acompanhamos Craig desde sua infância até a idade adulta. A sinceridade aqui é dolorosa, mas importante.

+Leia também: Resenha de Aokigahara

+Leia também: Resenha de Sandman – Prelúdio 1

Craig é um garoto que desde sempre sofre com a repressão dos pais. Sua família é muito cristã e desde pequeno ele tenta compreender a Bíblia. Ele faz questionamentos aos reverendos e professoras nas escolas dominicais, frequenta acampamentos cristãos durante o inverno e seus pais o proíbem de praticamente qualquer coisa que não envolva a doutrina religiosa. Craig sofre bullying na escola, não tem amigos e seu companheiro mais próximo é seu irmão mais novo.

retalhos craig thompson

Reprodução

Na adolescência, ao participar de uma acampamento de inverno, Craig conhece Raina, por quem se apaixona instantaneamente. Após o acampamento, eles mantém contato por meio de cartas, até que os pais de Craig o liberam para visitar a amiga, que mora em outro estado. Craig então passa duas semanas na casa de Raina e conhece a família da garota, que vive um momento conturbado. Nessas duas semanas, Craig se questiona a respeito de tudo: fé, doutrina, rotina e passado. Ele também irá traçar paralelos de sua própria vida com alguns trechos da Bíblia, uma das partes mais cativantes de Retalhos.

É interessante acompanhar a luta desse personagem que sempre viveu à base do medo. O temor do sexo, temor de “não encontrar o caminho do céu“, o medo dos pais, o terror de encontrar pessoas novas e viver experiências diferentes assolam Craig. O protagonista não sabe o que é certo ou errado, como conduzir sua vida e até desenvolve um tipo de comportamento obsessivo. Raina mostra uma nova realidade a Craig, mas ainda assim é somente sozinho que ele vai conseguir se encontrar e refletir sobre sua vida e futuras escolhas.

retalhos craig thompson

Reprodução

Somos conduzidos a uma trajetória intensa e triste, porém honesta, marcante e, principalmente, sutil. Todos temos um pouco de Craig: tentamos trilhar nossos caminhos desviando de imposições, sejam de nossos pais, da escola, dos relacionamentos amorosos ou de tantas outras relações que cultivamos ao longo da vida.

Resumindo: é incrível! ❤

retalhos craig thompson capa

Título original:  Blankets
Autor: Craig Thompson
Editora: Quadrinhos na Cia (Companhia das Letras)
Número de páginas: 592
Ano: 2009
Gênero: Graphic Novel
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: Por Aí – Renan Alvarenga

Resenha: Por Aí - Renan Alvarenga

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Recebi Por Aí, do autor brasileiro Renan Alvarenga, em Janeiro. Como o livro é curto – com cerca de 62 poemas – resolvi lê-lo durante uma noite qualquer. Posso afirmar que, para mim, a obra foi uma ótima surpresa! Como o próprio autor afirma em sua apresentação: “Os textos refletem uma predileção pelo tema ‘sentido da vida’ (e das dores), comum a todas as gerações, desde sempre”. Para mim, os poemas de Renan vão além: trazem um momento introspectivo ao leitor. Algumas vezes me peguei emocionada, como com o poema “Saudade”:

Saudade

Atravesso os domínios do hoje para visitar-te,
Saudoso que estou da cálida rabugice dos teus resmungos.

Não há lugar inalcançável para um espírito disposto.

Contorço-me olimpicamente,
Pois não desejo perder-te de vista
Detrás da trama de mil fios,
Entre este e aquele buraquinho,
No tecido do tempo.

(P.25)

Resenha: Por Aí - Renan Alvarenga

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Além disso, em Por Aí, o autor aposta em temas sacros de uma forma íntima e bela. Eis um exemplo:

Reencontro

Ó, útero nostálgico!
Ventre aconchegante,
Dispensador de cuidados,
Perfeito em si.

Porventura existirá
Um abrigo similar
Para se hospedar a alma?

Quem dera!
Já que a alma é imortal,
Permanece sendo feto
Desalojado de sua casa.

Recorra-se à fé,
Indício da sublime dádiva
Do natural reencontro
Da primeira morada.

(P. 33)

A obra foi lançada pela CHIADO Editora, “novata” no mercado editorial brasileiro, mas muito conhecida em Portugal. A edição é simples, mas muito bem feita! A capa transmite bem a ideia de Por Aí: um vórtice, em constante movimento e rotação. Assim como a vida. Já que, segundo as próprias palavras de Renan:

“Cada passo custa uma lágrima
A alegria é lenço precioso
As renúncias são pegadas da nobreza de quem se desafiou a seguir em frente

Quero seguir,
Já que não há opção,
Já que estagnação é prisão“. (grifo nosso)

Capa - Por Aí - Renan AlvarengaTítulo original: Por Aí
Autor: Renan Alvarenga
Editora: Chiado Editora
Número de páginas: 74
Ano: 2015
Gênero: Poesia
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vazia


3 Comentários
Escrito por:

Melissa Marques


Página 5 de 15« Primeira...34567...10...Última »