Resenha

Resenha: Por Onde Andam as Pessoas Interessantes? – Daniel Bovolento

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Será que as pessoas interessantes sumiram ou nós que nos tornamos desinteressantes com o tempo? Em época de Tinder, Facebook, Whatsapp, Snapchat, Twitter e outras zilhões de redes sociais, será que sobra tempo para olhar o mundo offline e conhecer pessoas com um papo interessante e conhecimento legal pra compartilhar? Em seu livro de crônicas Por Onde Andam As Pessoas Interessantes, Daniel Bovolento faz praticamente um desabafo entre as páginas.

Com um texto leve e descontraído, o autor do blog Entre Todas as Coisas tenta expor seus amores imaginários, platônicos, interessantes, desinteressantes e passageiros. O amor, a paixão, podem estar em todos os lugares: na tela do celular, no ponto de ônibus, na festa que você nem lembrava que tinha ido.

A leitura é bem rápida, as crônicas são leves: algumas são divertidas, outras mais tristes. Mas todas com o mesmo tema central: relacionamentos. Acredito que muitos vão se identificar com os textos do Daniel, que com a maior sinceridade possível, tenta descobrir por onde andam as pessoas interessantes ou se, na verdade, nós é que nos tornamos seletivos/cansados demais para procurar.

Vou ser bem sincera nesta resenha: eu não me identifiquei. Não sei porque, mas acredito que não estou nessa “vibe”. Eu namoro há quatro anos e meio, então acho que fiquei meio por fora do assunto. Aliás, não é nem por esse motivo: mesmo quando estava solteira, eu não me preocupava tanto com relacionamentos amorosos. Por mais que eu me apaixonasse ou sentisse algo a mais por alguém, eu dificilmente fazia disso o problema central da minha vida. Nunca tive um amor platônico (pois é!) e sempre fui bem tranquila em relação a esses assuntos. Por conta disso, o livro não me prendeu… Mas não quer dizer que não seja adequado para outras pessoas. Veja bem: o livro é bom! Só não é pra mim.

Resenha: Por Onde Andam as Pessoas Interessantes? - Daniel Bovolento
Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Então se você busca uma leitura para se apaixonar, sonhar, imaginar e relembrar momentos da sua vida amorosa, esse é ideal. O estilo do Daniel é intenso, perfeito para aqueles que se perguntam onde anda aquela pessoa que pode fazer a diferença na sua vida, nem que seja apenas por um minuto.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

 

Esse produto foi um brinde, porém, as informações contidas nesse post expressam as ideias da autora.

LEIA TAMBÉM

Resenha: Por Onde Andam as Pessoas Interessantes

Título original: Por Onde Andam as Pessoas Interessantes
Autor: Daniel Bovolento
Editora: Planeta de Livros
Número de páginas: 192
Ano: 2015
Gênero: Crônica
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaestrela vaziaestrela vazia

Curiosidades

O trabalho de alguns autores antes de serem famosos

O site Unplag criou um infográfico superlegal sobre os trabalhos “aleatórios” que alguns autores tiveram antes de alcançar a fama. De pirata a compositor, esses gênios já fizeram de tudo!

JAMES JOYCE

James Joyce
FOTO: Reprodução

O autor de “Ulysses” já foi compositor, ator e tocava instrumentos como piano e violão!

CHUCK PALAHNIUK

Chuck Palahniuk
FOTO: Reprodução

Antes de se tornar célebre pelo livro “Clube da Luta”, Palahniuk trabalhou como lavador de pratos, mensageiro, mecânico e ainda manejava projetores de filmes!

WILLIAM FAULKNER

William Faulkner
FOTO: Reprodução

O autor de “O Som e a Fúria” já foi carteiro da Universidade do Mississipi.

KEN KESEY

Ken Kesey
FOTO: Reprodução

O autor de “Um Estranho no Ninho” já foi zelador em um hospital psiquiátrico e voluntário para um estudo da CIA.

KURT VONNEGUT

Kurt Vonnegut
FOTO: Reprodução

O autor de “Cama de Gato” já foi vendedor de carros para uma empresa sueca.

+++ 10 SITUAÇÕES QUE TODO AMANTE DE LIVROS JÁ VIVEU

+++ PASSO A PASSO DE UM LEITOR SEM GRANA EM UMA LIVRARIA

+++ TATUAGENS INSPIRADAS EM LIVROS

+++ A ÚLTIMA CARTA DE VIRGINIA WOOLF

STEPHEN KING

Stephen King
FOTO: Reprodução

O mestre do horror já foi zelador em uma escola.

J. D. SALINGER

J. D. Salinger
FOTO: Reprodução

O autor de “O Apanhador no Campo de Centeio” já foi diretor de entretenimento em um cruzeiro sueco.

HARPER LEE

Harper Lee
FOTO: Reprodução

A autora de “O Sol É Para Todos” já trabalhou como atendente da companhia aérea Eastern Air Lines em Nova York.

F. SCOTT FITZGERALD

F. Scott Fitzgerald
FOTO: Reprodução

O famoso autor de “O Grande Gatsby” já trabalhou em uma agência de publicidade escrevendo slogans para placas de bondes (ou trens).

JACK LONDON

Jack London
FOTO: Reprodução

O autor de “O Lobo do Mar” já foi pirata!

CHARLES DICKENS

Charles Dickens
FOTO: Reprodução

O incrível autor de “Grandes Esperanças” trabalhava colocando rótulos em garrafas em uma fábrica de produtos para polir sapatos. Bizarro!

FONTE: Unplag

Entrevistas

Entrevista: Fabio Brust, autor de Deuses & Feras

FOTO: Divulgação

Fabio Brust é autor de distopias e aposta no digital para a divulgação de seu novo livro Deuses & Feras. Confira a entrevista completa:

Entrevista Fábio Brust
FOTO: Divulgação

Resenhas: Conte um pouco mais sobre seu novo livro, “Deuses & Feras”…

Fabio: “Deuses e Feras” é uma história sobre Internet e governo. Basicamente é uma distopia young-adult, a exemplo de diversas outras espalhadas pelas livrarias, como “Jogos Vorazes” e “Divergente”, só para citar as mais conhecidas. Ao mesmo tempo, tentei captar um pouco da essência das distopias originais (entre elas, “1984”, “Admirável Mundo Novo” e “Fahrenheit 451”), com aquela atmosfera pesada e a sensação de que alguma coisa de errado vai acontecer no virar da página! Pra conseguir isso, transformei o mundo em um lugar repleto de cidades-Estado governadas, todas, pelo mesmo Estado virtual, situado na Internet. Basicamente as pessoas são controladas por meio de dispositivos semelhantes a smartphones implantados em seus braços – uma analogia para o vício cada vez mais presente nesse nosso mundo de hoje de pessoas que veem seus celulares como uma extensão de si mesmas.

Na história, o narrador é um ladrão e, a protagonista, uma assassina. Cada pessoa possui uma função determinada na Teia – o nome dado ao Estado virtual – e ambas as personagens precisam cumprir com objetivos previstos. O problema é que os dois são pares um do outro, ou seja, precisam se relacionar sexualmente como uma obrigação. E, a partir disso, eles descobrem tramas muito mais complexas e tentam, de alguma maneira, se desvencilhar do que é destino, do que é fatal.

Resenhas: Seu primeiro livro publicado (Agora eu morro) e seu mais novo livro (Deuses & Feras) são distopias. Atualmente, houve um “boom” de livros do gênero, principalmente entre os jovens. Para você, o que faz desse gênero um sucesso tão grande?

Fabio: Acho que uma das principais vantagens da distopia é justamente o fato de ela ser uma história de ficção, mas que remete praticamente em sua totalidade à nossa realidade atual. Geralmente são narrativas pessimistas, que veem o nosso futuro como um reflexo de ações nocivas que são praticadas agora. Em “Agora eu Morro”, as ações eram com relação à degradação do meio-ambiente; em “Deuses e Feras”, o uso da Internet como um instrumento de controle. O mesmo acontece com outras distopias, que fazem com que o leitor pense a respeito de sua situação e que tipo de atitude tem para com o mundo ao seu redor, ao mesmo tempo em que contam histórias fantásticas e cativantes!

+++ ENTREVISTA: RED DOOR HQS

Resenhas: Desde o lançamento de seu primeiro livro, muita coisa deve ter mudado, certo? Você acredita, por exemplo, que amadureceu como autor?

Fabio: Com certeza! Muita coisa aconteceu, e eu demorei muito mais tempo na produção de “Deuses e Feras”. No total, foram praticamente dois anos e meio trabalhando no livro, enquanto que “Agora eu Morro” me tomou 9 meses. Não que o tempo signifique alguma coisa… mas eu realmente me dediquei a criar o mundo em detalhes, em organizar tudo o que se passaria, em estruturar os capítulos em um esqueleto e tudo o mais. Isso me ajudou bastante a não me perder na história e a manter uma linha bem clara, no enredo! Com toda certeza amadureci, assim como amadureci em outros quesitos, também. Acho que aprender nunca é demais, né?

Resenhas: Você é formado em Produção Editorial. Como esse curso te auxiliou na carreira de autor? Indica para quem quer seguir essa profissão?

Fabio: Olha, o curso me ajudou a entender como o mercado editorial funciona e como a criação do livro como um objeto ou produto funciona. Tecnicamente, eu não aprendi muita coisa sobre ser um autor… eu aprendi como ser um editor. Muitas vezes isso me ajudou (tanto que eu fiz o e-book de “Deuses e Feras” praticamente sozinho, só com a ajuda da Inari Jardani Fraton, minha namorada, que também é formada em Produção Editorial), mas, em outras, até chegou a me atrapalhar. É aquela história de a gente se envolver tanto em uma coisa que acaba esquecendo das outras, certo? Ser um autor-editor é bem complexo e demanda tempo demais! Às vezes é melhor nos focarmos em uma tarefa só. Mas não vou dizer que é ruim, não. Eu gosto muito do meu trabalho – como autor e como editor -, e isso só tem me feito mergulhar cada vez mais fundo no mercado editorial. Cada vez tenho mais certeza de que fui criado pra fazer isso!

Resenhas: Com a sua formação, como você enxerga o mercado editorial atualmente?

Fabio: Enxergo com bastante otimismo! Estamos vivendo uma era tecnológica muito propícia para todo tipo de coisa. Os livros são apenas mais uma dessas coisas. As pessoas compram muitos livros na Internet, vejo cada vez mais feiras de livro espalhadas por todo lado, as pessoas leem na Internet – de graça ou não -, há cada vez mais blogs literários e gente falando sobre livros (vide o próprio Resenhas à la Carte!). E há a tal da questão dos e-books. Eu tinha um medo excessivo de e-books, antes de começar a lê-los e a considerar publicar meu livro nesse formato. Hoje eu vejo que só há vantagens. E-readers são práticos, fáceis de levar na mochila, nem tão caros assim; e os e-books são basicamente o que interessa nos livros: o conteúdo. Ao mesmo tempo eu, como um amante de projetos gráficos e design editorial (considerando o fato de que trabalho com isso, também), vejo uma ascensão dos livros caprichados: capa dura, guarda colorida, miolo bem-acabado e bonito. O que está desaparecendo das livrarias são os livros “descartáveis”, com aquele papel avacalhado e capa mole. Eu acho que não vou sentir falta deles. O e-book e o livro físico vão coexistir. E os livros vão continuar existindo. Nenhuma outra mídia vai aposentá-lo. Claro que isso é o que eu acho. Mas eu, como disse, vejo o mercado com otimismo. Só vejo razões para ele crescer!

++VANTAGENS E DESVANTAGENS DO KINDLE

Capa - Deuses e Feras
Foto: Divulgação / Elo Editorial

Resenhas: Como foi a decisão de escrever um livro apenas para o digital?

Fabio: Eu não escrevi o livro pensando no meio digital… quando terminei, inscrevi em um concurso. Evidentemente eu não ganhei. Aí eu fiz o meu trabalho de conclusão de curso sobre autopublicação e vi que era uma ótima alternativa para novos autores. O que pode ser mais meritocrático do que eu mesmo divulgar meu livro e fazer sucesso (se fizer) a partir da qualidade da minha obra? Talvez no futuro eu possa ser chamado por uma editora, talvez não. Por enquanto, acho que me autopublicar é uma sábia decisão, e que tem muito futuro. Torçam por mim!

Resenhas: Ser autor era realmente como você esperava?

Fabio: Acho que é melhor. No começo, pensei que seria uma vida glamourosa e cheia de eventos literários e filas para receber autógrafos. Hoje sei que ser um novo autor é bem mais difícil. A gente tem que se deslocar para eventos por conta própria (é caro!), tem que enfrentar a timidez para falar com os leitores diretamente, tem que trabalhar para conseguir alguma visibilidade. Mas é recompensador. Saber que tem alguém lendo o que eu escrevi é ótimo. Pode ser que a princípio eu não vá ganhar rios de dinheiro com isso, mas acho que esse não é o objetivo. O principal é simplesmente contar uma boa história, e é isso o que me guia.

+++ ENTREVISTA: ANDRÉ TURTELLI E RENATO QUIRINO, AUTORES DA HQ AOKIGAHARA

Resenhas: Existe alguma dica “concreta” que você possa dar para jovens e novos autores?

Fabio: Cada escritor tem a sua maneira de escrever, então é difícil dar muitas dicas! Mas uma ótima é a de aprender a estruturar a história, a criar um esqueleto. Isso me ajudou muito para não me perder na trama e não ficar preso em algum ponto da narrativa. Agora, para o esqueleto, cada um tem seu jeito. Eu acabei aprendendo a fazer o meu escrevendo cada capítulo em uma folha e colando cada uma delas na parede, para me guiar. Mas pode não funcionar pra todo mundo!

Resenhas: Quais autores (nacionais ou internacionais) te inspiram?

Fabio: Ah, tem diversos autores que me inspiram! Um autor nacional que me inspira muito é o Raphael Montes, por conta da sua criatividade e inventividade na literatura policial e sua grande presença nas redes sociais. Com relação aos internacionais, acho que os que eu mais admiro são autores clássicos – principalmente George Orwell, já que ele escreveu o livro de que mais gosto, “1984”.

Resenhas: Quais são seus planos e projetos?

Fabio: São inúmeros, em diversos âmbitos! Como editor, estou trabalhando para fazer cada vez mais serviços editoriais através da iniciativa Elo Editorial, que criei com alguns colegas e amigos do curso de Produção Editorial. Hoje estamos fazendo serviços para outras editoras, inclusive algumas mais conhecidas do público! Com relação a ser autor, quero continuar escrevendo e botar na prática as ideias que eu arquivei aqui no meu computador. Além disso, estou tentando escrever textos e crônicas, me fazer mais presente nas redes sociais e tudo o mais. Acho que o importante é não ficar parado! 🙂

BAIXE JÁ “DEUSES & FERAS”. É GRÁTIS!

Matérias

Saiba mais sobre o projeto “Geladeira de Livros”

Reprodução/YouTube

Você já parou em alguma rua ou ponto de ônibus e encontrou uma geladeira, assim, do nada? Ou então abriu uma geladeira customizada e encontrou livros incríveis dentro? Ainda não encontrei na minha cidade, mas muitos locais do Brasil já estão aderindo à “geladeiroteca“, isto é, a geladeira de livros. Cidades como Santa Maria (RS), Distrito Federal, Ribeirão Preto (SP), Sertãozinho (SP), entre muitas outras, já conhecem esse projeto incrível!

Aí você me pergunta: mas o que é isso??? Geladeira com WHAT??

will smith wtf gif

É isso mesmo que você leu: uma geladeira recheada de livros. O projeto é simples: uma carcaça de geladeira velha é customizada para chamar a atenção das pessoas. Quando elas abrem, encontram livros diversificados recebidos por doação. Você pode retirar, trocar, ler e não precisa dar satisfação: a única regra é retornar o livro à geladeira depois que encerrar a leitura. Ao contrário das bibliotecas, que exigem cadastros e mais um monte de burocracias, a geladeira é uma opção barata, diferente e criativa de estimular a leitura. Não é demais??? ♥♥♥

Na Feira do Livro de Sertãozinho, no ano passado, mais de 400 (!!!) livros foram repassados. Em Ribeirão Preto, mais de 3 mil. No Distrito Federal, um professor colocou a geladeira em uma praça, toda customizada com arte grafite, uma coisa linda de se ver. E o mais legal é que as pessoas estão aderindo e respeitando: terminou de ler, devolve!

Essa iniciativa é incrível, ainda mais porque os preços dos livros no Brasil são bem carinhos, nem sempre acessíveis para a população em geral. O intuito do livro é disseminar informação, conhecimento e cultura, e não tem jeito melhor do que compartilhando com as outras pessoas!

É claro que muitos têm aquele apego material com livros, pensando “mas minha edição é linda, capa dura, novinha, não vou doar”. Mas ninguém falou que você precisa doar sua edição de luxo! Doe aquele livro bacana, mas que você não se apegou tanto. Abra espaço na sua estante para livros novos! Dissemine por aí seus autores prediletos, compartilhe com os outros seus gostos. Mostre para o mundo porque aquele livro é tão importante para você!

O Jornal Nacional fez uma matéria mostrando a geladeira de livros. São vários projetos diferentes pelo país, como o da prefeitura de Cosmópolis (SP), por exemplo, o Fome de Leitura.

Saiba mais sobre o projeto "Geladeira de Livros"
Foto: João Vilnei/Prefeitura de Santa Maria

Curti muito essa ideia! A Matilda aprovou também:

gif matilda

Curiosidades

Tatuagens inspiradas em livros

Algumas pessoas são tão fanáticas por livros que optaram por tatuar desenhos ou frases famosas de suas obras prediletas. Alguns desenhos são tão incríveis e impressionantes que dá até vontade de fazer igual! haha! (mentira, sou covarde pra tattoos).

Olha só alguns exemplos:

Tatuagens inspiradas em livros

Baseada em Laranja Mecânica.

Tatuagens inspiradas em livros

Essa eu fiquei impressionada com a semelhança. IGUALZINHO do Onde Vivem os Monstros! (amooo)

Tatuagens inspiradas em livros

Esse Cheshire Cat me deu medo de tão realista! haha mas ficou superlegal!

Tatuagens inspiradas em livros

Essa é bem fofa, inspirada em Peter Pan.

Tatuagens inspiradas em livros

Essa é bem bonita, só não curti o lugar. Baseada no Mário Quintana.

Tatuagens inspiradas em livros

Uma bem pequenininha, acho que até eu faria! haha

Tatuagens inspiradas em livros

Bem que eu gostaria de dormir menos pra ler mais, porque olha…

Tatuagens inspiradas em livros

Achei essa divertida!

Tatuagens inspiradas em livros

Esse foi bem poético, né? Acho que é autor desconhecido (não encontrei).

Tatuagens inspiradas em livros

Essa ficou igualzinha ao livro!

Tatuagens inspiradas em livros

Raposa d’O Pequeno Príncipe.

Tatuagens inspiradas em livros

Essa frase é do Tolkien!

Tatuagens inspiradas em livros

Tatuagens inspiradas em livros

Essas duas foram baseadas em Harry Potter.

Tatuagens inspiradas em livros

Essa é de um dos meus livros preferidos, O Morro dos Ventos Uivantes. Achei meio “grosseira”, mas a mensagem é linda! 🙂

Tatuagens inspiradas em livros

Esse é um superfã de Senhor dos Anéis e o tatuador teve um trabalhão! Ficou bem realista (porém, achei um exagero).

Tatuagens inspiradas em livros

Don’t Panic. Essa eu faria! Não no pé, mas é uma boa frase! hahaha

E você? Faria alguma dessas tatuagens? Se você já tem alguma tatuagem literária, mostra pra gente nos comentários!

dont panic

Obs: Não dei os créditos das fotos porque realmente não sei 🙁 mas se alguém souber, só avisar que eu coloco!