Resenha

Resenha: Lolita – Vladimir Nabokov

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Lolita, luz de minha vida, labareda em minha carne. Minha alma, minha lama. Lo-li-ta: a ponta da língua descendo em três saltos pelo céu da boca para tropeçar de leve, no terceiro, contra os dentes. Lo. Li. Ta. Pela manhã ela era Lô, não mais que Lô, com seu metro e quarenta e sete de altura e calçando uma única meia soquete. Era Lola ao vestir os jeans desbotados. Era Dolly na escola. Era Dolores sobre a linha pontilhada. Mas em meus braços sempre foi Lolita. Será que teve uma precursora? Sim, de fato teve. Na verdade, talvez jamais teria existido uma Lolita se, em certo verão, eu não houvesse amado uma menina primordial.

Com um início desses, impossível não querer continuar Lolita, o clássico escrito por Nabokov. Lolita é referência na literatura mundial e não apenas ousou ao mostrar o ponto de vista de um pedófilo sobre amor e o sexo, como se tornou um marco na história. O livro de Nabokov foi recusado inúmeras vezes até ser publicado em Paris, no ano de 1955.

O protagonista Humbert Humbert trabalha como professor de literatura e se apaixona pela rebelde Dolores Haze, também conhecida como Lolita, uma menina de 12 anos. Depois de se casar com Charlotte Haze e se tornar padrasto da menina, Humbert se envolve sexualmente com Lolita, a quem intitula “ninfeta” – uma menina que está na transição para a fase adulta, isto é: uma garota com o corpo em desenvolvimento.

Logo no começo, sabemos que Humbert escreveu sua história enquanto estava na prisão, ou seja, este é um narrador não confiável: conhecemos Lolita por meio do ponto de vista do homem de meia-idade. É justamente aí que reside o triunfo da obra: vemos o mundo por meio do olhar de um pedófilo, um homem desesperado e cego pelo amor e luxúria, uma pessoa desnorteada e obsessiva.

Resenha: Lolita - Vladmir Nabokov
FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Não nego que Humbert é realmente apaixonado por Lolita, mesmo que de forma doentia. Aos olhos de qualquer um, Lolita seria apenas uma menina rebelde, mal-educada e magricela de 12 anos. Aos olhos do protagonista, Lolita é endeusada e descrita de forma esplêndida: cabelos cor de mel, pele aveludada, usando apenas uma soquete. O estilo de Nabokov é riquíssimo, com um vocabulário extenso, amplas descrições que não caem na mesmice ou no tédio… um jeito único de narrar a história.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

No começo, fiquei com asco do personagem, já que este frequentava parquinhos para observar meninas brincando e pensando em como elas seriam em cima de seu colo (quão nojento é isso?). Mas, como não me choco facilmente, avancei na leitura e percebi o quão interessante é a narrativa proposta pelo autor. Odiamos Humbert Humbert por suas atitudes grotescas em relação a Lolita e outras ninfetas, mas também é possível se solidarizar com o protagonista em alguns momentos. Lolita também é uma menina insuportável, mas que conseguimos compreendê-la, já que sua infância foi arruinada e sua vida virou de cabeça para baixo.

Resenha: Lolita - Vladmir Nabokov
FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

O medo constante do protagonista em ser descoberto, as loucuras que fez pela menina, todo seu êxtase sexual ao encostar na pele da garota, são descritos de uma forma incrível. Dificilmente nos deparamos com livros tão meticulosos e perfeccionistas, mas Lolita é um bom exemplo. Alguns podem achar certas partes descritivas maçantes, principalmente quando Humbert se delonga ao registrar a paisagem norte-americana, mas nada que tire o prazer da leitura.

Depois de Frankenstein, Dorian Gray e Grandes Esperanças, adicionei mais um clássico para minha lista e não me arrependo nem um pouco. Obs: já tinha assistido ao filme de Kubrick, mas, apesar de bom, nem se compara ao livro (como sempre). Leiam e depois assistam, a experiência com certeza é bem melhor 🙂

LEIA TAMBÉM

Resenha: Lolita - Vladimir Nobokov

Título original: Lolita
Autor: Vladimir Nobokov
Editora:Alfaguara
Número de páginas: 392
Ano: 2011
Gênero: Ficção/Clássico
Nota1 estrela1 estrela1 estrela1 estrela1 estrela

Resenha

Resenha: Aokigahara – André Turtelli e Renato Quirino

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Quando peguei a HQ Aokigahara na mão, já me impressionei! Sem saber o que iria encontrar no miolo, fiquei hipnotizada pelo estilo do quadrinista Renato Quirino e admirada com os mínimos detalhes dos traços. Já percebi que seria o tipo de história que eu iria gostar, apesar de quase nunca ter lido quadrinhos na minha vida.

Aliás, fazer essa resenha não é uma tarefa fácil pra mim: meu repertório é mínimo em relação a HQs, portanto, me perdoem se usar algum termo ou palavra errada. Mas não é porque não conheço muitas obras que não posso admirar uma que gostei bastante, não é verdade?

Aokigahara me deu a impressão de ser um conto. São poucas páginas, li bem rapidinho e acredito que a intenção dos autores era essa: mostrar uma história sensível, poética, mas sem aprofundar demais no tema ou nos personagens. É aquele tipo de história que passa voando – traz uma mensagem rápida – mas que cria marcas profundas.

Resenha Aokigahara - André Turtelli e Renato Quirino
FOTO: Divulgação / André Turtelli e Renato Quirino

Não vou detalhar a trama, já que o final é uma surpresa e pode estragar a experiência de outros leitores. Mas o que posso dizer é: você vai acompanhar a trajetória de dois personagens que vão para a triste floresta de Aokigahara, no Japão, conhecida como a Floresta dos Suicidas. Como é uma floresta muito densa, com pouco vento e quase nada de vida selvagem, o local é bastante silencioso. Em média, são encontrados 100 corpos (!!!) ao ano por lá, inclusive esqueletos mais antigos. Triste, né? Existem diversos documentários e filmes sobre essa floresta. Melancólico, mas também interessante para entender porque tantas pessoas tiram a própria vida naquele lugar.

Gostei bastante da temática da HQ e achei muito importante falar sobre suicídio, que, por ser um tema muito delicado, ainda é considerado um tabu em muitas culturas. Também adorei como os autores nos fazem sentir a dor dos personagens, ainda que conhecendo-os tão pouco.

O que posso dizer de Aokigahara? É sensível, gentil, mas ao mesmo tempo, toca na ferida. Muito bom mesmo! Isso sem falar na arte em si, que é incrivelmente detalhada e feita com o maior cuidado possível.

Acho que vou começar a ler mais quadrinhos.

PS: A Mel fez uma entrevista com os autores André Turtelli e o Renato Quirino. Confira aqui!

LEIA TAMBÉM

Capa HQ Aokigahara

Título original: Aokigahara
Autor: André Turtelli e Renato Quirino
Editora:
Número de páginas: 32
Ano: 2015
Gênero: HQ
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela

Resenha

Resenha: A Menina do Vale – Bel Pesce

FOTO: Reprodução

“Descobri” quem era Bel Pesce em uma aula na pós-graduação. O professor enaltecia a garota que, através de um financiamento via crowdfunding, conseguiu cerca de R$ 800.000 para começar um projeto empreendedor. Por esse motivo, Bel é um dos maiores cases de crowdfunding do Brasil. Incrível, né Fiquei empolgada com a história de sucesso de alguém tão jovem – na época, ela tinha apenas 19 anos – e fui procurar o livro para aprender algo com a ‘menina do vale’.

Com o dinheiro arrecadado por meio do financiamento coletivo, Bel pôde empreender no Vale do Silício, um dos “redutos tecnológicos” mais famosos do mundo. Lá, a garota criou empresas e fez parte do quadro de colaboradores de outras, como o Google.

Cheio de ensinamentos fracos e superficiais, o livro é uma autoajuda disfarçada de dicas para novos empreendedores. As ideias de Bel são boas, mas a forma rasa – rasa, não objetiva – como ela passa não faz a menor diferença.

“Acredite nos seus sonhos e trabalhe por eles”, “Se você colocar o sua mente e seu coração, dará certo” = MIMIMI. Quero dados, quero estatísticas, quero “quebrei a cara fazendo TAL coisa, o resultado foi ESSE e resolvi DESSA forma”. Gostaria de saber mais sobre os problemas e as dificuldades que ela passou empreendendo no famoso Silicon Valley. Mas, é claro, ninguém “entrega o ouro” assim, né?

Basicamente, o  livro resume-se aos seguintes ensinamentos:

  1. Não se preocupe com a sua idade
  2. Descubra quem te inspira e por quê
  3. Compartilhe as suas dificuldades
  4. Seja sempre humilde
  5. Equipe, Equipe, Equipe
  6. O verdadeiro valor de um plano de negócios
  7. Seja acelerado, mas tenha paciência
  8. Acostume-se a aprender com seus erros
  9. Encontre as suas paixões
  10. Impressione o mundo com a sua iniciativa

Faltou profundidade, questionamento… Tirar o leitor do lugar-comum, mexer com a cabeça dele, sabe? Parece que tudo é fácil e lindo. Basta um café, um networking com a pessoa certa e voilà: você está empreendendo (e ganhando muita grana)! Acabei ficando com a impressão de que ela simplesmente não tem nada para passar. Seria melhor não ter perdido tempo escrevendo.

Eu entendo as dificuldades de empreender e sei que, no Brasil, o buraco é ainda mais embaixo. Mas essa autoajuda água-com-açúcar escrita pela Bel não colou comigo. Não indico.

Alguém já leu? Discordam? Deixem suas opiniões nos comentários!

LEIA TAMBÉM

Capa do livro A Menina do ValeTítulo original: A Menina do Vale
Autor: Bel Pesce
Editora: Casa da Palavra
Número de páginas: 160
Ano: 2012
Gênero: Administração
Nota1 estrelaestrela vaziaestrela vaziaestrela vaziaestrela vazia

Resenha

Resenha: Paperboy – Pete Dexter

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à la Carte

Quando li a sinopse desse livro, Paperboy, algo me chamou a atenção. Quando compararam-no com A Sangue Frio, do Capote, fiquei ainda mais interessada. O gênero policial, misturado com o fato de que o livro retrata um pouco do universo jornalístico da década de 60, foi um grande diferencial para me interessar pela leitura.

Paperboy conta a história dos irmãos Jack e Ward James, que investigam o caso do assassinato de um xerife local por Hillary Van Wetter, condenado à pena de morte. Depois de receber uma carta de uma mulher chamada Charlotte Bless, que afirmava a inocência de Hillary, Ward James, jornalista em ascensão, ao lado do parceiro Yardley Acheman, resolve investigar se Van Wetter foi realmente o culpado pelo crime.

A trama se passa no sul dos Estados Unidos no final dos anos 60, período conturbado e cheio de transformações sociais. Jack, de apenas 20 anos, largou a universidade e voltou para casa para trabalhar como motorista do caminhão na empresa do pai. Percebemos toda a história pelo seu ponto de vista.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

Vi muita gente reclamando da falta de capítulos, mas isso na verdade não incomoda. A leitura flui, o texto é gostoso de ler e a linguagem é pouco rebuscada. Por mais de 200 páginas, ficamos envolvidos em uma narrativa tensa, misteriosa e com personagens bem construídos.

Charlotte é uma personalidade única e envolvente, uma mulher “mais velha” que se sente atraída por homens na prisão, sempre tão longe e intocáveis. Yardley é um jornalista arrogante e prepotente, buscando a todo custo a fama e o sucesso, pouco se importando com a ética jornalística. W.W. James, o pai dos irmãos protagonistas, é um velho jornalista cansado que sente falta da ex-mulher e tenta, a todo custo, continuar com a boa reputação de seu jornal local. Jack, o principal, é um menino confuso e tranquilo, sempre tentando ajudar o irmão Ward, um homem misterioso, quieto e com uma inteligência e perseverança fora do comum.

A narrativa é densa e parte do real para o surreal. Alguns personagens da família Van Wetter são bizarros e perturbadores, trazendo algumas pitadas de emoção para a história. Algumas temáticas que estavam em voga na década de 60 também são introduzidas sutilmente, como o preconceito racial, a discriminação contra os homossexuais, a liberdade de expressão, a libertação sexual, entre outras.

Resenha: Paperboy
Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Outro ponto que me agradou muito foram as descrições de personagens, principalmente pelos sentidos de Jack, principalmente o olfato. Dava para sentir o cheiro das pessoas, imaginar sua aparência e até sentir o gosto da cerveja quente e insossa dos dias de muito calor (e tristeza) vividos pelo personagem. É tudo muito sensitivo: conseguimos entrar na pele do jovem nadador que largou a universidade e ainda se incomodar, tanto quanto ele, com tantas situações inesperadas e reviravoltas da investigação.

A única coisa que me incomodou foi o final: muito triste, pouco original. Mas nada que tire o mérito do resto do livro.

*Obs: Assisti ao filme também. Nem tenho vontade de comentar, porque foi tão ruim e com um roteiro tão falho que nem é possível comparar.

*Esse produto foi um brinde, porém, as informações contidas nesse post expressam as ideias da autora

LEIA TAMBÉM

Resenha: Paperboy- Pete Dexter

Título original: Paperboy
Autor: Pete Dexter
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 336
Ano: 2013
Gênero: Romance policial
Nota1 estrela1 estrela1 estrela1 estrelaestrela vazia

Entrevistas

Entrevista: André Turtelli e Renato Quirino, autores da HQ Aokigahara

No Resenhas, a gente lê de tudo: aqui não rola preconceito literário! Muitas pessoas “torcem o nariz” quando falamos sobre HQ. Uns acham muito infantil (oi?), outros acham perda de tempo. Mas deixa eu te contar um segredo: Aokigahara é muito melhor que MUITOS livros que já li! Portanto, fica a dica: vamos explorar novos mundos literários e descobrir novos gostos!

Conversei com André Turtelli e Renato Quirino, autores da HQ que, como disse acima, vale muuuito a pena! (E já se tornou uma das minhas favoritas!). Confira como foi o nosso bate-papo:

Resenhas: Para quem ainda não conhece, contem um pouco sobre como surgiu a ideia da HQ…

​André: Nós dois fizemos um primeiro trabalho em parceria com um blog que tínhamos entre amigos. Eu fiz o texto e o Renato a ilustração que o complementava. Por conta disso, surgiu a vontade de fazer uma HQ juntos, coisa que os dois gostavam.​ E então acabamos topando com a floresta de Aokigahara na internet, ficamos muito interessados e, após assistir a um documentário da Vice sobre a floresta, decidimos que esse seria o tema da nossa HQ.

Renato: Eu comecei a ler HQ depois de adulto, salvo algumas do Chico Bento. Comecei a trabalhar na mesma empresa que o André, e surgiu a vontade de fazer a própria revista. Depois do blog, do documentário, e de alguns anos, colocamos a ideia no papel.

Resenhas: Acredito que o processo de criação de texto e imagem sejam extremamente diferentes. Como foi para cada um de vocês? Existiu uma rotina de pesquisa e criação?

André: ​No caso do roteiro, foi um processo bem intuitivo. Tinha uma mensagem que eu gostaria de passar e pensei em diversas formas de chegar a isso. Como costumo escrever contos curtos, de início cheguei a várias histórias pequenas. Situações ​e personagens que passariam pela floresta. Conversando com o Renato para definirmos mais ou menos o tamanho da HQ acabei escolhendo meio que duas das ideias que eu havia tido, misturando, e criando algo completamente novo, chegando ao resultado final.

Renato: No começo era para ser uma história BEM curta, 5 páginas, talvez, para jogar na internet. Pesquisamos, conversamos, André rascunhou uns diálogos, eu uns suicidas, e acabamos fechando a revista com 30 páginas. Depois que o André finalizou o roteiro, fiz um rascunho de todas as páginas, para definir o que teria em cada quadro. Depois disso, fiz um documento imenso com referências visuais, tanto da floresta quanto de ambientes urbanos japoneses, roupas, pessoas, comportamento, e comecei a desenhar.

HQ Aokigahara
FOTO: Reprodução / Facebook Renato Quirino

Resenhas: Falar sobre um tema tão pesado como o suicídio, logo na primeira HQ, não assustou vocês?

André: ​Ficamos um pouco receosos sim, na verdade. Após estar quase tudo finalizado, pensamos “imagina alguém se suicida depois de ler essa revista?” e decidimos incluir uma mensagem mais clara no final da revista, para passar uma mensagem bacana, que na verdade é uma das formas de ler a história.

Renato: Quando começamos, nem me dei conta que o tema era pesado. Depois de pesquisar por #aokigahara e ver a quantidade de corpos espalhados pela floresta, comecei a me dar conta da dimensão do problema.

Resenhas: Vocês conseguiram financiar mais de 300% do valor do projeto via Catarse. Vocês indicam esse “caminho” para quem quer publicar de forma independente?

André: Eu, pessoalmente, indico sim. É um modelo de negócio muito bacana, que todos acabam saindo ganhando. Quem quer publicar, consegue. Quem gosta do projeto, já adquire. E ver o pessoal apoiando e compartilhando é ótimo para os criadores, dá uma energia ainda maior para tentar fazer o melhor possível para satisfazer os apoiadores.

Renato: Não indico para qualquer um. Gerir uma campanha no Catarse é uma função trabalhosa, que demanda muito tempo e energia. Não é colocar o projeto no ar e esperar o dinheiro cair na conta. Se você não trabalhar pesado em divulgação, em expandir sua rede de contatos, seu projeto não será financiado. Se você não apresentar um projeto claro e confiante, ninguém vai apoiar. E o pós-campanha é ainda mais trabalhoso. Indico sim, ótima ferramenta, para quem tem vontade e não tem preguiça.

+++ CONFIRA A RESENHA DA HQ AOKIGAHARA

Resenhas: Qual diferencial vocês veem no projeto para ele ter sido tão bem aceito?

Renato: Antes da campanha entrar no ar, muita pesquisa, muita conversa, muitas horas lendo comentários de posts sobre financiamento coletivo. Conseguir definir um público, procurar onde ele está e a melhor forma de abordá-los, para mim é o diferencial. A campanha precisa de uma estratégia, boa vontade não basta.

Resenhas: Além do Catarse, vocês fizeram algumas ações offline para divulgação, como a presença na CCXP. Como foi a receptividade? Uma HQ “do interior” se deu bem “na capital”?

​Renato: Foi o primeiro evento do tipo que eu fui, meu primeiro contato com outros quadrinistas, e não poderia ter sido melhor. Mesmo no fim do sábado, o dia mais movimentado da CCXP, fui super bem recebido em todas as mesas que parei, e a grande maioria das pessoas que conversei já conheciam a Aokigahara. Não senti em nenhum momento a relação interior/capital, acho que esses conceitos já não me fazem mais sentido.

HQ Aokigahara
FOTO: Reprodução / Facebook Renato Quirino

Resenhas: Em quem vocês se inspiram?

​André: Em que vocês se inspiram… Complicado, rs. Difícil pontuar algo assim, acho que eu acabo me inspirando mais em situações que acabo vendo ou ouvindo, reais ou não. Música também é um negócio que me inspira muito, às vezes de uma frase de uma letra de música, sai um texto inteiro.​ Agora se a pergunta for mais para a HQ em si, acho que para o trajeto dos personagens foi uma coisa mais pessoal mesmo, essas questões que a gente acaba sempre levantando, sobre beleza, trabalho, pequeneza, desconhecido, etc. Agora, para a narrativa, minha maior inspiração foi uma peça de teatro que vi na época​​ – eu realmente não me lembro o nome – mas era muito boa, ela tinha essa pegada dos personagens completarem a frase um do outro mas em lugares completamente distintos, mas que criavam uma linha reta e faziam sentido para o espectador​. Queria lembrar o nome mesmo.

Renato: Nas pessoas que vejo na rua.

Resenhas: Quais são os projetos de vocês? Pretendem trabalhar juntos novamente?

​André: Estamos para lançar no começo de julho um livro de contos folclóricos ilustrados, que foi contemplado pelo Programa Municipal de Estímulo à Cultura. São 10 contos meus e 10 ilustrações do Renato. Chama-se “Aconteceu com um amigo dum amigo meu“. É um resgaste das criaturas do nosso folclore para os tempos mais atuais, digamos assim.  Onde estaria o Saci nos tempos modernos? Como seria um Curupira nos dias de hoje? ​É para esse tipo de pergunta que o livro inventa respostas. Além disso, pretendemos fazer outra HQ juntos, sim.

Renato: Além do “Aconteceu com um amigo dum amigo meu“, recentemente ilustrei o “Lobo de Rua“, livro da Janayna Pin que está entre os mais vendidos da categoria na Amazon. Estou escrevendo também o roteiro de uma HQ que vou lançar no FIQ, em novembro. Durante o próximo mês devo começar a mostrar alguns previews no meu instagram.

Resenhas: Como está sendo a recepção do público? Qual feedback vocês já tiveram?

​André: Estamos extremamente felizes com a recepção! Além do feedback ótimo das pessoas que estão perto de nós, várias resenhas elogiando, vídeos/resenhas, foi bem falado em fórum de quadrinhos, pessoas que não conhecemos indicando e elogiando espontaneamente, descobrimos que foi objeto de estudo em uma reunião em uma faculdade na Paraíba, foi “Melhor do Mês” para 3 colunistas do Universo HQ… Enfim, acho que não poderia estar mais feliz e surpreso com a receptividade que a revista está tendo. ​Ainda não apareceu nenhum hater, rs

Renato: O melhor feedback que tive até agora foi do ditchan (avô) da minha mulher, 93 anos, que conferiu as frases em japonês. Tava tudo certo, ele adorou!

Resenhas: Ainda é possível adquirir um exemplar da HQ? Como?

Renato: Sim! Pela internet, vendemos pela Ugra Press. Em São Paulo, tem algumas edições na Monkix (Rua Harmonia, 150, Vila Madalena). Esse ano estaremos com mesa no FestComix (São Paulo – Julho), e no Festival Internacional de Quadrinhos (Belo Horizonte – Novembro). Vendemos pessoalmente também, é só nos procurar! Valeu!

HQ Aokigahara
FOTO: Divulgação / Renato Quirino e André Turtelli