Resenha: Estranha Confissão – Anton Tchekhov

Passeando pelo sebo na minha cidade, encontrei este livro de Tchekhov que nunca tinha ouvido falar. O autor russo é famoso por seus contos e algumas peças de teatro, mas não sabia que havia escrito nenhum romance policial. Como sou fã do gênero, optei por Estranha Confissão e dei início à leitura.

Pesquisando sobre o livro, descobri que é na verdade uma novela, um precursor dos romances policiais de fundo psicológico que conhecemos tão bem com Agatha Christie, por exemplo. Estranha Confissão foi publicada em folhetins entre 1884 e 1885 e anos depois publicada pelo governo russo. A edição da Planeta é de 2005 e traduzida do espanhol, por ninguém menos do que Jorge Luis Borges e Adolfo Bioy Casares.

Resenha: Estranha Confissão - Anton Tchekhov

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Como sempre, nos gêneros policiais, o livro trata de um assassinato e uma investigação. No entanto, Tchekhov escreve com um estilo único, e provavelmente você nunca leu um romance policial parecido. Para resumir, a história narra as memórias do juiz de instrução Sérgio Petrovich Zinoviev. As memórias do juiz, logo no início do livro, são entregues a um editor de jornal para que fossem publicadas. A partir de então, conhecemos a história de Sérgio quando seu velho amigo, o conde Alexey Karnieiev, regressa ao distrito após uma viagem.

O conde é um beberrão, adora festas e considera Sérgio um grande amigo, enquanto este o despreza com frequência. No entanto, Sérgio se rende e acaba passando boa parte do seu tempo na companhia do conde, alternando momentos de sobriedade e trabalho com um temperamento ruim de bêbado. Durante a narrativa, conhecemos vários personagens que vão se entrelaçando e, quase ao final do livro, há um assassinato e o juiz deve descobrir quem cometeu o homicídio.

Sim, essa explicação da história ficou estranha, porque realmente não consigo resumi-la! Pense numa narrativa envolvente, mas que não deixa você confuso em relação ao assassino e nem tenta distrair seu foco. É óbvio do começo ao fim o que aconteceu com a vítima. Mas o interessante aqui é a maneira como Tchekhov usa a ironia e o sarcasmo para contar esse relato e, principalmente, criticar a base moral dos personagens e da Rússia conturbada daquela época.

É um livro envolvente: o autor trabalha com precisão o psicológico de cada personagem, mas, no fim das contas, é uma obra esquecível. Nem de longe um trabalho memorável, como os contos do autor e até suas peças de teatro (fiz resenha aqui no blog de As Três Irmãs). A cada dia me envolvo mais com os escritores russos (o sarcasmo é fenomenal), mas Estranha Confissão não entra para a lista dos favoritos.

LEIA TAMBÉM

Resenha: Estranha Confissão - Anton Tchekhov

 

Título original: Estranha Confissão
Autor: Anton Tchekhov
Editora: Planeta
Número de páginas: 248
Ano: 2005
Gênero: Romance Policial/Novela
NotaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vaziaestrela vazia


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni