Resenha

Resenha: Como Falar com Garotas em Festas – Neil Gaiman, Fábio Moon e Gabriel Bá

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Os ilustradores brasileiros Fábio Moon e Gabriel Bá foram convidados a transformar o conto Como Falar com Garotas em Festas, escrito por Neil Gaiman, em uma graphic novel. O resultado foi publicado pela Companhia das Letras através do selo Quadrinhos na Cia.

Não sabia exatamente o que esperar sobre o conteúdo do livro, mas tinha certeza de que não se tratava de um guia bobo sobre como chegar na menina. É assim: Neil Gaiman não desaponta. Não existe essa possibilidade. Então, comecei a leitura já esperando ser surpreendida.

Clique para comprar:

Como Falar com Garotas em Festas conta a história de Vic e Enn, dois amigos de 15 anos que querem chegar em uma festa. Vic é o amigo bonitão e conquistador. Já Enn é aquele cara mais fechado, na dele, e que não consegue chegar em ninguém, haha.

Através da música, os dois acabam encontrando o local. E é ali que a narrativa se desenvolve de fato: enquanto Vic puxa papo com a garota-mais-linda-da-festa, Enn tenta se manter com o mínimo de interesse em estar no lugar. Para isso, ele utiliza uma dica simples dada por seu amigo para conseguir conversar com garotas em festas: “Fala!“.

Resenha: Como Falar com Garotas em Festas - Neil Gaiman, Fábio Moon e Gabriel Bá
FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

A música, aliás, faz parte do cenário da graphic novel: ela dá o tom ao ambiente e é essencial para algumas cenas. Seja na sala barulhenta cheia de jovens adultos dançando e conversando, seja para trazer contexto histórico às cenas.

É claro: na narrativa não poderia faltar o tom fantástico de Neil Gaiman – assumo que me surpreendeu positivamente, além de emocionar com toda a sua poesia e metáforas incríveis.

Qual é o seu nome
Triolet
Nome bonito
É uma forma de poema. Como eu.
Você é um poema?
(p. 39)

Inclusive, Como Falar com Garotas em Festas será adaptado para o cinema. Neil Gaiman compartilhou um teaser no Instagram. Olha só:

LEIA TAMBÉM

* Esse produto foi um brinde, porém, as informações contidas nesse post expressam as ideias da autora

Resenha: Como Falar com Garotas em Festas - Neil Gaiman, Fábio Moon e Gabriel BáTítulo original: How to Talk to Girls at Parties
Autor: Neil Gaiman
Editora: Companhia das Letras (selo Quadrinhos na Cia.)
Número de páginas: 80
Ano: 2017
Gênero: Graphic Novel
Nota: 

Vídeos

[VÍDEO] 5 livros do Neil Gaiman para ler já!

Quem acompanha o blog há um tempinho já deve saber que nós somos SUPER fãs do autor Neil Gaiman. A obra dele é enorme, completíssima e merece MUITO ser lida pelo máximo de pessoas possíveis, haha! Separamos 5 livros especiais e imperdíveis do autor.

Veja abaixo e não esqueça de se inscrever no nosso canal:

Clique e compre os livros citados no vídeo (e ajude o blog a crescer!):

RESENHAS CITADAS NO VÍDEO

A Bela e a AdormecidaCoralineO Discurso Faça Boa Arte

LEIA TAMBÉM

Matérias

Confira o trailer da série “Deuses Americanos”, inspirada na obra de Neil Gaiman

FOTO: Divulgação

Deuses Americanos é uma das estreias mais aguardadas do ano! A série, produzida pela STARZ, é uma adaptação inspirada no famoso livro homônimo, escrito pelo autor Neil Gaiman.

O novo trailer da série é bastante sangrento e fantasioso, e mostra um pouco mais da fúria dos deuses.

Confira o trailer legendado da série "Deuses Americanos", inspirada na obra de Neil Gaiman
FOTO: Divulgação

Confira a sinopse da obra original:

Após a morte de sua esposa em um acidente de carro, Shadow é liberado da prisão antes de cumprir totalmente sua pena. Perdido, acaba por conhecer um homem misterioso, chamado Wednesday, que será muito mais importante na vida de Shadow do que ele imagina. Na verdade, Wednesday é um antigo deus, certa vez conhecido por Odin, o Pai de Todos. Ele está percorrendo os Estados Unidos a fim de reunir seus companheiros esquecidos para uma batalha épica contra as divindades do mundo moderno: internet, televisão, cartões de crédito, telefone, rádio… Shadow aceita ajudar Wednesday, e eles se lançam a uma tempestade psicoespiritual que se torna demasiadamente real em suas manifestações. A esposa morta de Shadow, por exemplo, continua a aparecer, e não apenas como um espectro – a dificuldade de ambos em manter seu relacionamento se torna sombriamente engraçada, assim como o resto do livro.

Clique abaixo e adquira Deuses Americanos (essa é a versão favorita do autor!):

Armado somente de seus truques com moedas e alguma determinação, Shadow inicia uma viagem fantástica pela superfície visível das coisas – ao seu redor, sob ela -, literalmente descobrindo todos os poderosos mitos que os imigrantes europeus trouxeram com eles quando chegaram àquelas terras, assim como os que já viviam lá. Eles aparecem alí onde menos se esperava, zanzando na beira de estradas, comendo hamburgueres, são agora trapaceiros, prostitutas, sombras. “Esta não é uma boa terra para deuses”, diz Shadow.

Essa semana a STARZ liberou mais um trailer da série. Dá uma olhada:

Lembrando que a STARZ é responsável pela adaptação – incrível – de Outlander. Vem coisa boa por aí: sim ou claro?! Já estamos contando os dias para a estreia em 30 de abril!

LEIA TAMBÉM

Fonte da sinopse: Skoob

Resenha

Resenha: A Bela e A Adormecida – Neil Gaiman e Chris Riddell

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

A história de A Bela e A Adormecida mescla dois grandes clássicos: Branca de Neve (A Bela) e Bela Adormecida (A Adormecida). No começo pode ser um pouco confuso, mas no decorrer da história você consegue “pegar” umas dicas do autor – e claro: as ilustrações ajudam muito nessa hora!

Inclusive, essa não é a primeira vez que o autor “revisita” um clássico: ele também já foi responsável por reescrever a história de João e Maria. Sobre essa experiência, Neil Gaiman comenta: “Eu me sinto como uma espécie de alquimista“. E como ele sabe fazer essas “misturas” de forma única!

SINOPSE de A Bela e a Adormecida

Era o reino mais próximo ao da rainha, em linha reta, como voa o corvo, mas nem os corvos voavam até lá.

Você pode achar que conhece esta história. Uma jovem rainha está prestes a se casar. Há anões bons, corajosos e valentes; um castelo envolto em espinhos; e uma princesa enfeitiçada por uma bruxa, segundo dizem os boatos, em um sono eterno. Mas aqui não há ninguém esperando que apareça um nobre príncipe em seu fiel cavalo. Este conto de fadas é tecido com um fio de magia negra, que vira e revira, brilha e reflete. Uma rainha pode acabar se revelando uma heroína, se uma princesa precisar ser salva…

Um ponto interessante é que as personagens não têm nome: a bela, a bruxa, a madrasta, os anões… Todos os seres são adjetivados. Até porque o nome de cada um é irrelevante para a história.

“Nomes. Nomes. A velha semicerrou os olhos e balançou a cabeça negativamente. Ela era quem era, e o nome com o qual fora batizada havia sido comido pelo tempo e pela falta de uso.” p. 49

O BEIJO

Resenha: A Bela e A Adormecida - Neil Gaiman e Chris Riddell
FOTO: Divulgação / Editora ROCCO

Um dos pontos altos da trama é, sem dúvidas, o beijo homossexual. Porém, você irá se surpreender com a conotação dada à cena quando terminar de ler o livro. Em resumo, o beijo faz todo o sentido de existir e estar naquele momento. (Além de ser uma ilustração MARAVILHOSA!).

Grande destaque para a protagonista (A Bela): uma rainha forte, decidida, que “abandona” o noivo e seu “felizes para sempre” em busca de respostas. Fico feliz por ver uma personagem tão empoderada e dona de si! Em entrevista ao The Telegraph, o escritor comentou: “Não tenho paciência com histórias em que mulheres são resgatadas por homens. Você não precisa ser salvo por um príncipe“.

“[…] Ela mandou buscar a espada.

Ela mandou buscar mantimentos e o cavalo, e em seguida cavalgou palácio afora, em direção ao leste”. p. 21

A história conta ainda com um plot twist (reviravolta na trama) que eu não me lembro de ter visto igual há muito tempo! Sem dúvidas, é uma obra muito bem escrita.

Resenha: A Bela e A Adormecida - Neil Gaiman e Chris Riddell
FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

O clima sombrio e a atmosfera mágica, marcas registradas de Neil Gaiman, estão fortemente presentes na trama. As ilustrações superdetalhadas de Chris Riddell dão o toque final que o livro precisava para se tornar inesquecível! Os destaques das ilustrações – feitos em dourado – serviram para marcar certos acontecimentos ou detalhes de forma luxuosa.

Resenha: A Bela e A Adormecida - Neil Gaiman e Chris Riddell
Detalhes em dourado. FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

O cuidado que a ROCCO teve com a obra foi primoroso! Sem dúvidas, um livro para enfeitar a estante e ser lido e relido constantemente. (E como o próprio release da obra declara: ideal dos sete aos setenta anos!).

A edição conta com ilustrações na capa e no verso. O livro, de capa dura, ainda tem uma jacket, isto é, uma capa de papel (no caso, folha vegetal) que pode ser removida e que contém informações adicionais como nome da obra, dos autores e outros detalhes. Veja abaixo:

Resenha: A Bela e A Adormecida - Neil Gaiman e Chris Riddell
FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Detalhes da capa dura (hardcover) com as ilustrações:

CAPA

Resenha: A Bela e A Adormecida - Neil Gaiman e Chris Riddell
FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

VERSO

Resenha: A Bela e A Adormecida - Neil Gaiman e Chris Riddell
FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

Mágico e provocativo, Neil acertou novamente em sua fórmula para criar histórias incríveis e, sem dúvidas, inesquecíveis! Mais uma viagem pelo mundo onírico do consagrado autor!

Para comprar, é só clicar no link abaixo:

 

* Esse produto foi um brinde, porém, as informações contidas nesse post expressam as ideias da autora

LEIA TAMBÉM

Capa A Bela e A AdormecidaTítulo original: The Sleeper and the Spindle
Autor: Neil Gaiman e Chris Riddell
Editora: ROCCO Jovens Leitores
Número de páginas: 72
Ano: 2015
Gênero: Infantil
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela

Resenha

Resenha: O Discurso Faça Boa Arte – Neil Gaiman

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Se você está na faixa dos 20 e poucos anos e está meio perdido na vida; se você acha que trabalha demais e nunca alcança seus objetivos; se você não faz o que ama, mas se sente preso ao ‘ganhar dinheiro pra viver’; ou se você apenas não sabe o que fazer daqui pra frente: esse livro é para todos nós. O Discurso Faça Boa Arte, de Neil Gaiman, é uma transcrição do discurso que o autor fez em 2012 para a University of the Arts na Filadélfia. Com duração de 19 minutos, ele fala sobre arte, vida, carreira, jornada e aquilo que todos sempre pensamos em algum momento: “o que estou fazendo com minha vida???? O que devo fazer agora??”.

É um discurso motivacional que nos faz repensar tudo aquilo que estamos fazendo. Neil fala sobre o fato de trabalharmos sempre para ganhar dinheiro e dificilmente fazendo o que sonhamos em fazer. Ele confessa que nunca fez faculdade, mas que sempre gostou de escrever e se tornou escritor – veja só – escrevendo.

Já chegou a mentir no currículo, viveu de freelance, recusou empregos bons porque sabia que não iria ser feliz e se esforçou até o fim para viver como sempre sonhou: sendo escritor. Ele também fala de sua jornada e dá alguns conselhos para as pessoas que, como eu, como você, estão em busca de algo “a mais”.

Resenha: O Discurso Faça Boa Arte - Neil Gaiman
Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

O conselho essencial do autor: “faça boa arte“. Não importa o que aconteceu na sua vida: foi criticado? Passou um perrengue? Está numa maré de azar? Faça boa arte. Esqueça a opinião alheia, esqueça as adversidades do caminho: empenhe-se naquilo que você ama, tire de dentro de você todos os sentimentos que estão presos e faça boa arte. Liberte-se das amarras!

É triste ler esse livro e pensar em como ele está certo, mas como requer coragem para deixar de lado a vida cômoda e o salário fixo para se dedicar à uma paixão. Acho que, pra mim, seria um dos atos mais corajosos que alguém tomaria no mundo de hoje: perseguir o próprio sonho, independente dos obstáculos financeiros.

Para comprar, é só clicar no link abaixo:

 

É possível assistir ao discurso completo no YouTube, mas ainda assim, o livro tem um diferencial: o projeto gráfico. Brincando com as palavras de Gaiman, o designer gráfico Chip Kidd transforma a obra em uma leitura diferente, criativa e, usando a metalinguagem, fazendo sua própria arte.

Resenha: O Discurso Faça Boa Arte - Neil Gaiman
Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Então, se você quer levar um tapa na cara, leia O Discurso Faça Boa Arte. Repense suas escolhas, pense na sua felicidade, tire de dentro de você as emoções e expresse-as de alguma forma.

LEIA TAMBÉM

Resenha: O Discurso Faça Boa Arte - Neil Gaiman

Título original: Make Good Art Speech
Autor: Neil Gaiman
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 80
Ano: 2014
Gênero: Não-Ficção
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela