Resenha

Resenha: Sobre a Escrita – A Arte em Memórias – Stephen King

FOTO: Isabela Zamboni | Resenhas à la Carte

Sobre a Escrita é um daqueles livros que eu não queria que acabasse! Fazia tanto tempo que eu não lia um livro assim, num estouro, morrendo de vontade de chegar em casa e continuar. E o mais engraçado é que não é um livro de ficção (meu gênero favorito), mas uma minibiografia do autor Stephen King, que deu dicas valiosas para quem quer ser escritor.

Eu sempre sonhei em ser escritora (quem sabe um dia), mas nunca tive o ímpeto de colocar as personagens no papel. Esse livro me fez ter vontade de começar: ele fornece dicas preciosas para quem sonha em escrever melhor e criar histórias consistentes.

O livro é dividido em partes: na primeira, conhecemos um pouco da vida do Stephen King e tudo o que ele passou até conseguir se tornar um autor famoso. Conhecemos a infância, a adolescência, os problemas financeiros, as amizades, os estudos, amores, enfim, um resumão da vida do autor. Eu achei bom porque ele conta até as partes difíceis de sua vida: a luta contra o alcoolismo e a cocaína, os problemas que teve a partir disso e as dificuldades de conseguir sobreviver trabalhando em uma lavanderia com uma família para sustentar.

A boa escrita costuma vir ao deixarmos o medo e a afetação de lado. A própria afetação, que começa com a necessidade de definir certos tipos de escrita como “bons” e outros como “ruins”, é um reflexo do medo.

Depois de conhecer a vida de Stephen, chega a segunda parte do livro: as dicas para escritores iniciantes. O que eu mais gostei é que ele separa por temas: fala sobre gramática, explica sobre construção de frases, cita autores famosos (bons e ruins) para exemplificar suas ideias. Depois fala sobre temática, gênero, ritmo, substância, o mercado editorial, o reconhecimento, como colocar suas ideias no papel, entre tantas outras informações. Eu fiquei encantada com o livro, nunca tinha lido algo parecido: um autor tão honesto e tão sincero com seus leitores.

Para comprar Sobre a Escrita, é só clicar no link abaixo:

Stephen King deixa claro que ele não é um escritor clássico e nem se preocupa em ser um Dickens ou Poe. O que ele realmente gosta é de contar histórias e isso, não há como negar, ele sabe fazer muito bem. King rebate as críticas dos cult chatos que dizem que o que ele escreve não é bom. Porém, ele consegue mostrar que realmente sabe do assunto e nada mais gostoso do que ler alguém que está se abrindo com a maior honestidade possível.

Resenha: Sobre a Escrita - A Arte em Memórias - Stephen King
FOTO: Isabela Zamboni | Resenhas à la Carte

O ritmo da leitura flui muito rápido e em poucas páginas conseguimos absorver bastante informação. É claro que algumas coisas não fazem parte da realidade brasileira: ele dá dicas gramaticais da língua inglesa, comenta o mercado editorial nos Estados Unidos da década de 90, entre outras coisas que não se encaixam no contexto atual. Mas ainda assim, é uma lição pra vida: e se você tem vontade de escrever um livro, esse é um ótimo começo.

Escreva com a porta fechada, reescreva com a porta aberta. Em outras palavras, você começa escrevendo algo só seu, mas depois o texto precisa ir para a rua. Assim que você descobre qual é a história e consegue contá-la direito – tanto quanto você for capaz -, ela passa a pertencer a quem quiser ler.

Gostei tanto da leitura que acabei comprando outros livros sobre a escrita! Para quem sonha em ser escritor, ou até mesmo deseja escrever uma história sólida, é uma obra imprescindível.

LEIA TAMBÉM

Resenha: Sobre a Escrita - A Arte em Memórias - Stephen King

Título original: On Writing: A Memoir of the Craft
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Número de páginas: 256
Ano: 2015
Gênero: Biografia/Não-ficção
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela

Resenha

Resenha: Por Onde Andam as Pessoas Interessantes? – Daniel Bovolento

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Será que as pessoas interessantes sumiram ou nós que nos tornamos desinteressantes com o tempo? Em época de Tinder, Facebook, Whatsapp, Snapchat, Twitter e outras zilhões de redes sociais, será que sobra tempo para olhar o mundo offline e conhecer pessoas com um papo interessante e conhecimento legal pra compartilhar? Em seu livro de crônicas Por Onde Andam As Pessoas Interessantes, Daniel Bovolento faz praticamente um desabafo entre as páginas.

Com um texto leve e descontraído, o autor do blog Entre Todas as Coisas tenta expor seus amores imaginários, platônicos, interessantes, desinteressantes e passageiros. O amor, a paixão, podem estar em todos os lugares: na tela do celular, no ponto de ônibus, na festa que você nem lembrava que tinha ido.

A leitura é bem rápida, as crônicas são leves: algumas são divertidas, outras mais tristes. Mas todas com o mesmo tema central: relacionamentos. Acredito que muitos vão se identificar com os textos do Daniel, que com a maior sinceridade possível, tenta descobrir por onde andam as pessoas interessantes ou se, na verdade, nós é que nos tornamos seletivos/cansados demais para procurar.

Vou ser bem sincera nesta resenha: eu não me identifiquei. Não sei porque, mas acredito que não estou nessa “vibe”. Eu namoro há quatro anos e meio, então acho que fiquei meio por fora do assunto. Aliás, não é nem por esse motivo: mesmo quando estava solteira, eu não me preocupava tanto com relacionamentos amorosos. Por mais que eu me apaixonasse ou sentisse algo a mais por alguém, eu dificilmente fazia disso o problema central da minha vida. Nunca tive um amor platônico (pois é!) e sempre fui bem tranquila em relação a esses assuntos. Por conta disso, o livro não me prendeu… Mas não quer dizer que não seja adequado para outras pessoas. Veja bem: o livro é bom! Só não é pra mim.

Resenha: Por Onde Andam as Pessoas Interessantes? - Daniel Bovolento
Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Então se você busca uma leitura para se apaixonar, sonhar, imaginar e relembrar momentos da sua vida amorosa, esse é ideal. O estilo do Daniel é intenso, perfeito para aqueles que se perguntam onde anda aquela pessoa que pode fazer a diferença na sua vida, nem que seja apenas por um minuto.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

 

Esse produto foi um brinde, porém, as informações contidas nesse post expressam as ideias da autora.

LEIA TAMBÉM

Resenha: Por Onde Andam as Pessoas Interessantes

Título original: Por Onde Andam as Pessoas Interessantes
Autor: Daniel Bovolento
Editora: Planeta de Livros
Número de páginas: 192
Ano: 2015
Gênero: Crônica
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaestrela vaziaestrela vazia

Matérias

Saiba mais sobre o projeto “Geladeira de Livros”

Reprodução/YouTube

Você já parou em alguma rua ou ponto de ônibus e encontrou uma geladeira, assim, do nada? Ou então abriu uma geladeira customizada e encontrou livros incríveis dentro? Ainda não encontrei na minha cidade, mas muitos locais do Brasil já estão aderindo à “geladeiroteca“, isto é, a geladeira de livros. Cidades como Santa Maria (RS), Distrito Federal, Ribeirão Preto (SP), Sertãozinho (SP), entre muitas outras, já conhecem esse projeto incrível!

Aí você me pergunta: mas o que é isso??? Geladeira com WHAT??

will smith wtf gif

É isso mesmo que você leu: uma geladeira recheada de livros. O projeto é simples: uma carcaça de geladeira velha é customizada para chamar a atenção das pessoas. Quando elas abrem, encontram livros diversificados recebidos por doação. Você pode retirar, trocar, ler e não precisa dar satisfação: a única regra é retornar o livro à geladeira depois que encerrar a leitura. Ao contrário das bibliotecas, que exigem cadastros e mais um monte de burocracias, a geladeira é uma opção barata, diferente e criativa de estimular a leitura. Não é demais??? ♥♥♥

Na Feira do Livro de Sertãozinho, no ano passado, mais de 400 (!!!) livros foram repassados. Em Ribeirão Preto, mais de 3 mil. No Distrito Federal, um professor colocou a geladeira em uma praça, toda customizada com arte grafite, uma coisa linda de se ver. E o mais legal é que as pessoas estão aderindo e respeitando: terminou de ler, devolve!

Essa iniciativa é incrível, ainda mais porque os preços dos livros no Brasil são bem carinhos, nem sempre acessíveis para a população em geral. O intuito do livro é disseminar informação, conhecimento e cultura, e não tem jeito melhor do que compartilhando com as outras pessoas!

É claro que muitos têm aquele apego material com livros, pensando “mas minha edição é linda, capa dura, novinha, não vou doar”. Mas ninguém falou que você precisa doar sua edição de luxo! Doe aquele livro bacana, mas que você não se apegou tanto. Abra espaço na sua estante para livros novos! Dissemine por aí seus autores prediletos, compartilhe com os outros seus gostos. Mostre para o mundo porque aquele livro é tão importante para você!

O Jornal Nacional fez uma matéria mostrando a geladeira de livros. São vários projetos diferentes pelo país, como o da prefeitura de Cosmópolis (SP), por exemplo, o Fome de Leitura.

Saiba mais sobre o projeto "Geladeira de Livros"
Foto: João Vilnei/Prefeitura de Santa Maria

Curti muito essa ideia! A Matilda aprovou também:

gif matilda

Curiosidades

Tatuagens inspiradas em livros

Algumas pessoas são tão fanáticas por livros que optaram por tatuar desenhos ou frases famosas de suas obras prediletas. Alguns desenhos são tão incríveis e impressionantes que dá até vontade de fazer igual! haha! (mentira, sou covarde pra tattoos).

Olha só alguns exemplos:

Tatuagens inspiradas em livros

Baseada em Laranja Mecânica.

Tatuagens inspiradas em livros

Essa eu fiquei impressionada com a semelhança. IGUALZINHO do Onde Vivem os Monstros! (amooo)

Tatuagens inspiradas em livros

Esse Cheshire Cat me deu medo de tão realista! haha mas ficou superlegal!

Tatuagens inspiradas em livros

Essa é bem fofa, inspirada em Peter Pan.

Tatuagens inspiradas em livros

Essa é bem bonita, só não curti o lugar. Baseada no Mário Quintana.

Tatuagens inspiradas em livros

Uma bem pequenininha, acho que até eu faria! haha

Tatuagens inspiradas em livros

Bem que eu gostaria de dormir menos pra ler mais, porque olha…

Tatuagens inspiradas em livros

Achei essa divertida!

Tatuagens inspiradas em livros

Esse foi bem poético, né? Acho que é autor desconhecido (não encontrei).

Tatuagens inspiradas em livros

Essa ficou igualzinha ao livro!

Tatuagens inspiradas em livros

Raposa d’O Pequeno Príncipe.

Tatuagens inspiradas em livros

Essa frase é do Tolkien!

Tatuagens inspiradas em livros

Tatuagens inspiradas em livros

Essas duas foram baseadas em Harry Potter.

Tatuagens inspiradas em livros

Essa é de um dos meus livros preferidos, O Morro dos Ventos Uivantes. Achei meio “grosseira”, mas a mensagem é linda! 🙂

Tatuagens inspiradas em livros

Esse é um superfã de Senhor dos Anéis e o tatuador teve um trabalhão! Ficou bem realista (porém, achei um exagero).

Tatuagens inspiradas em livros

Don’t Panic. Essa eu faria! Não no pé, mas é uma boa frase! hahaha

E você? Faria alguma dessas tatuagens? Se você já tem alguma tatuagem literária, mostra pra gente nos comentários!

dont panic

Obs: Não dei os créditos das fotos porque realmente não sei 🙁 mas se alguém souber, só avisar que eu coloco!

Resenha

Resenha: O Sol É Para Todos – Harper Lee

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

O Sol é Para Todos sempre foi o maior rebuliço. Já ouvi muitas pessoas falando dele, tem um filme ganhador de Oscar baseado na obra, personagens de filmes e séries comentam a história da autora Harper Lee e etc. Quando soube que a continuação seria lançada 55 anos depois (!!!!), fiquei com vontade de saber do que se tratava.

E é incrível! Apesar da tradução um pouco estranha (muitas coisas não fizeram sentido, não sei se cortaram ou mudaram as palavras), O Sol É Para Todos é uma lição de vida, que cai muito bem nos tempos de hoje, apesar de a história se passar na década de 30.

A narrativa é dividida em partes, apresentando primeiro a vida dos personagens principais: Scout, a narradora, uma garotinha de 8 anos; Jem, seu irmão mais velho; Dill, um amigo dos dois, que passa todos os verões em Maycomb (condado onde a história é contada); e Atticus, o pai de Scout e Jem. Pelos olhos das crianças, enxergamos um perverso mundo dos adultos, onde racismo e preconceito estão acima de tudo. Afinal, estamos falando do sul dos Estados Unidos na década de 30.

O mais interessante é que o livro cria uma extensa contextualização, para apenas na metade entendermos do que realmente se trata a história: Atticus é um advogado que vai defender um negro acusado de estuprar uma garota branca. Pense agora na situação deste homem, morando em um local onde o preconceito é comum e praticamente um absurdo acreditar na inocência de um negro.

Como a história é narrada pelos olhos da pequena Scout, a leitura fica ainda mais instigante: mesmo sendo madura para sua idade, a garota ainda é bem inocente. Ao ter que lidar com seus próprios problemas da infância, Scout ainda precisa entender qual é o propósito de seu pai e as transformações pelas quais sua família vêm passando.

Resenha: O Sol É Para Todos - Harper Lee
Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Além dos protagonistas, os personagens complementares também são importantes. Durante a leitura, conhecemos praticamente o condado inteiro de Maycomb: as mulheres fofoqueiras, os vizinhos, o xerife, as crianças da escola, as famílias que discriminam os negros, o juiz, entre outros inúmeros personagens.

O Sol É Para Todos é um livro múltiplo: aborda temas como a infância, puberdade, injustiça social, direitos humanos, liberdade, racismo, preconceito, transformações, família. Não é à toa que foi vencedor do Pulitzer e que inspirou tantas outras obras. Lendo o livro, comecei a lembrar de filmes com esse mesmo pano de fundo. “Tempo de Matar”, de 1996, com o Matthew McConaughey e Sandra Bullock; “Histórias Cruzadas”, de 2011, com a Emma Stone; até mesmo o “Paperboy”, que resenhei aqui no blog. O mais legal de ler esse tipo de obra é entender sua importância para a literatura e o cinema.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

 

Não vou entrar em detalhes, porque o que eu mais gostei durante a leitura foi não saber exatamente o que esperar. Mas só digo uma coisa: espere uma história emocionante e um aprendizado para a vida!

LEIA TAMBÉM

Resenha: O Sol é para todos

Título original: To Kill a Mockingbird
Autor: Harper Lee
Editora: José Olympio – Grupo Record
Número de páginas: 364
Ano: 2015
Gênero: Romance/Literatura Estrangeira
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vazia