Resenha: Psicose – Robert Bloch

Sempre fui muito fã dos filmes do Hitchcock e Psicose é um dos principais e mais conhecidos do diretor. Quando vi que iriam lançar o livro de Robert Bloch, que inspirou o filme, fiquei animadíssima e comprei na hora. Não me arrependo, porque apesar de serem bastante semelhantes, existem alguns detalhes no livro que fazem valer a pena.

Publicado em 1959, a história de Psicose começa com a jovem Mary, que teve uma vida complicada, precisando cuidar das finanças da família desde sempre. Cansada de problemas financeiros, ela pretende casar-se com Sam, porém, este tem uma dívida enorme e não consegue bancar um casamento. Ela, que trabalha em uma imobiliária, recebe em mãos o valor de 40 mil dólares para depositar na conta de seu chefe, mas resolve roubar esse dinheiro e desaparecer do mapa.

Os capítulos de Psicose são alternados conforme o ponto de vista dos personagens, e depois da fuga de Mary, somos apresentados a Norman Bates – o grande psicopata, vilão e protagonista. Norman é um solteirão de quarenta anos, obeso e que cuida de sua mãe inválida, chamada Norma, em uma espelunca, o famoso Bates Motel. Mary chega ao motel após se perder no caminho até a cidade de Sam e decide passar a noite enquanto planeja o que fazer a seguir.

Logo no começo do livro já temos a clássica cena do assassinato de Mary – aqui Robert Bloch opta por uma narrativa brutal, fria e distante, mostrando a frivolidade do assassino. A morte de Mary não é um spoiler, porque isso é o que vai motivar o restante da história.

A clássica cena do chuveiro no filme

 

O leitor não é poupado de nada em Psicose: há muitas cenas sangrentas e diálogos intensos de Norman Bates com sua mãe – uma mulher ciumenta e controladora. Psicose fala sobre o poder que a mente pode ter sobre nós, principalmente quando ela se torna nossa principal inimiga. Os pensamentos e atitudes do vilão são perturbadoras e extremamente misóginas. Norman guarda um ódio gigante dentro de si, especialmente por sua mãe, e, sendo mulher, não é muito fácil de ler a mente de um psicopata.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

O suspense começa quando a irmã de Mary e Sam se unem para encontrá-la, já que desapareceu sem deixar vestígios. Eles encontram o Bates Motel e a partir daí se desenrolam os principais mistérios e o grande final.

Resenha: Psicose - Robert Bloch
Foto: Isabela Zamboni | Resenhas à la Carte

Algumas pessoas chegam a sentir empatia por Norman Bates, principalmente no final do livro. Ele teve uma infância difícil e um relacionamento abusivo com a mãe (o que é mostrado com mais detalhes na série Bates Motel), o que acabou moldando seu caráter dúbio e cruel. Eu não consegui sentir nada, mas a proposta do autor é justamente essa: deixar o leitor com vários questionamentos e reflexões acerca do personagem.

A narrativa de Robert Bloch impressiona e consegue prender a atenção desde as primeiras páginas. Eu me empolguei logo de cara e não parava mais. No entanto, se você não gosta de suspense/terror, pode ser que fique um pouco assustado. Psicose é um livro indicado, mas recomendo também o filme: um clássico que deve ser visto e revisto!

LEIA TAMBÉM

Resenha: Psicose - Robert BlochTítulo original: Psycho
Autor: Robert Bloch
Editora: Darkside Books
Número de páginas: 256
Ano: 2013
Gênero: Suspense/Terror
Nota

Comentários via Facebook

Comentar