Resenha: A Menina Submersa: Memórias – Caitlín R. Kiernan

Comecei a leitura de A Menina Submersa com altas expectativas. Li muitas resenhas em blogs falando o quanto esse livro era bom, que se tratava de uma história densa, uma viagem na mente de uma personagem com esquizofrenia. E tudo isso é verdade, apesar de ser uma leitura lenta, sem ritmo e muitas vezes irritante.

A protagonista India Morgan Phelps, também chamada de Imp (em inglês, Imp significa “diabinho” ou “duende”, mas na tradução esse detalhe se perdeu) tenta construir sua história em uma antiga máquina de escrever. Sem se importar com a cronologia, India tenta montar uma linha de acontecimentos de sua vida, junto com seus devaneios e sentimentos mais profundos. Ela sofre de esquizofrenia e tem altas tendências suicidas, assim como sua mãe Rosemary e sua avó Caroline.

Dessa forma, é difícil delimitar uma sinopse para este livro, já que A Menina Submersa é na verdade uma obra metalinguística: a personagem, ao escrever suas memórias, conversa com si mesma entre as páginas. Ou seja, acompanhamos a narrativa dentro da mente de Imp, que não consegue delimitar com clareza o que realmente aconteceu em sua vida ou o que, na verdade, foi uma ilusão de sua mente perturbada.

O livro ganhou o Bram Stoker Award, premiação que elege os melhores livros de terror e suspense de cada ano. E realmente ele traz uma inquietação, um clima de terror misturado com um drama melancólico. Seu conteúdo de reflexão é rico, assim como suas infinitas referências à arte, literatura e música.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

O problema é que não foi uma leitura agradável. Se o livro tivesse 100 páginas a menos, acredito que seria mais bem resolvido. Muitas e muitas páginas reforçam aquilo que já sabemos, loucuras e loucuras sem parar, num ritmo desenfreado, porém entediante. Não consegui ler muito por dia. O ritmo da narrativa é arrastado e cansativo, os personagens passam longe de serem carismáticos (apesar de densos e de personalidade forte, não tiro esse mérito), mas ler esse livro foi praticamente tomar um sonífero.

Resenha: A Menina Submersa
Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

O fluxo de consciência, recurso utilizado por autores incríveis como Virginia Woolf, é o estilo adotado por Kiernan para tentar traduzir a vida de uma garota esquizofrênica. No começo fiquei bastante interessada, é uma leitura que te leva a querer mais, conhecer a história de Imp. Mas é da metade pra frente que esse recurso torna-se enfadonho e o livro se arrasta a passos de tartaruga para um final que não podia ser muito diferente.

Se você gosta bastante de livros introspectivos, provavelmente vai adorar A Menina Submersa. Se, como eu, você prefere uma narrativa mais fluida, com acontecimentos marcantes, provavelmente vai se sentir entediado.

LEIA TAMBÉM

A Menina Submersa

 

Título original: The Drowning Girl
Autor: Caitlín R. Kiernan
Editora: Darkside Books
Número de páginas: 320
Ano: 2014
Gênero: Ficção/Thriller
Nota1 estrela1 estrelaestrela vaziaestrela vaziaestrela vazia

Comentários via Facebook

6 Comentários

  1. Samantha

    7 de janeiro de 2019 at 17:56

    Oi Isabela. Te escrevo em uma pausa durante a leitura de Garota Submersa. Concordo com você. Estou na pag. 138 e o livro se tornou um tédio. Não há novidade, uma vez que a própria narradora mostrou ter consciência dos problemas que tem. Então há muita repetição. O relacionamento insosso, pesadelos em torno de contos de fadas, mania com números. Ela já mostrou tudo isso desde o começo e o livro me parece realmente sem vida. Fiquei mal humorada e tonta,me identificando com a menina, talvez nesse ponto. Obrigada pela resenha. Acho que vou parar a leitura por aqui.

    1. Isabela Zamboni

      7 de janeiro de 2019 at 18:07

      Que bom que gostou da resenha, Samantha. Esse livro foi bem difícil pra mim. Alguns momentos também me identifiquei com a menina, mas é extremamente cansativo e repetitivo. Não aguentava mais aquele monte de mania e pesadelos, não dá a mínima vontade de continuar. A empatia pelos personagens também acaba rápido, todos são enfadonhos. Sinto dizer que não melhora muito, não!

  2. SUZANA

    17 de janeiro de 2019 at 11:45

    Achei que eu estivesse tendo um impressão errada sobre o livro.Mas é isso mesmo.Eu comecei a ler,parei por um tempo,e agora voltei a ler,porém tive que voltar para o início.É um livro cansativo mesmo, linear.

    1. Isabela Zamboni

      17 de janeiro de 2019 at 11:48

      Sim, é bem cansativo, tem que persistir pra terminar!

  3. Camila V

    7 de julho de 2019 at 10:40

    Concordo plenamente com sua Resenha. Li metade do livro, parei por um tempo e depois voltei a ler. Precisei me esforçar bastante para concluir a leitura.

    1. Isabela Zamboni

      7 de julho de 2019 at 18:40

      Difícil de continuar, né Camila? Foi uma leitura desgastante.

      Beijos

Comentar