Resenha: A Zona Morta – Stephen King

Quando peguei A Zona Morta para ler, não fazia ideia do que se tratava a história. Lembro de ter assistido ao filme A Hora da Zona Morta, com o Christopher Walken, há milênios, mas não lembrava de nada. Quando comecei, não consegui mais parar, assim como todo livro do Stephen King. Esse é um autor que consegue te fisgar, mesmo em um livro com 480 páginas!

Christopher Walken no filme A Zona Morta

A Zona Morta conta a história de John Smith, um professor que tem poderes “paranormais”. John sofreu um acidente na infância, bateu a cabeça e desde então sofre com alguns lampejos: toda vez que encosta em alguém, consegue sentir coisas estranhas, como prever o futuro, saber tudo sobre a vida da pessoa, entre outras coisas. Quando ainda jovem, ele sofre um acidente e fica em coma por quatro anos. Depois que acorda milagrosamente, ele vai se deparar com muitas mudanças e dificuldades, que levarão o personagem a um destino totalmente inesperado.

Resenha: A Zona Morta - Stephen King

FOTO: Isabela Zamboni | Resenhas à la Carte

John se considera amaldiçoado, já que esse “poder” só traz coisas negativas para sua vida. Muitas pessoas têm medo de encostar nele, não querem sua presença; outras ficam no seu pé para conseguir descobrir sobre suas vidas ou de outras pessoas. Ele também precisa se desvencilhar da imprensa o tempo todo, já que uns o consideram um charlatão e outros dizem que seu dom paranormal é incrível.

Na história também conhecemos outros personagens importantes na vida do protagonista: Sarah, sua namorada de antes do acidente, que se casou com outro; seu pai Herb, um homem muito bom, mas que vive um casamento conturbado; sua mãe Vera, uma fanática religiosa que acredita que a recuperação de John foi obra de Deus; Greg Stilsson, um político psicopata que cada vez mais está em ascensão com suas ideias conservadoras de direita (te lembra alguém?), entre outros. São diferentes histórias ao mesmo tempo, todas se entrelaçando com as visões paranormais de John Smith.

Achei interessante que esse é um livro que foge do terror: é um suspense misturado com drama, além de ter um viés político muito forte. O tempo todo acompanhamos as mudanças políticas nos Estados Unidos da década de 70. Inclusive, alguns presidentes como Jimmy Carter são citados, além de outros deputados e congressistas. A partir da metade do livro, ele se torna ainda mais voltado para as ideias de John em relação a Greg Stillson, político corrupto que está em ascensão.

Resenha: A Zona Morta - Stephen King

FOTO: Isabela Zamboni | Resenhas à la Carte

Obviamente não vou contar o final do livro, mas vou confessar que fiquei bem triste: até rolaram umas lágrimas. Conforme vamos acompanhando a vida de John após o coma, bate uma sensação muito forte de melancolia. Um jovem divertido, alegre, inteligente que tinha tudo para prosperar, de repente se vê inválido, numa vida cansativa, com enxaquecas constantes e essa sina paranormal.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

O livro é muito bom, porém não é o meu preferido do Stephen King. Ele se torna cansativo em alguns momentos (principalmente quando foca bastante na política, assunto que me deixa um pouco exausta), mas no geral é uma leitura com partes empolgantes. E você, já leu? Recomenda? Conta pra gente nos comentários!

LEIA TAMBÉM 

* Esse produto foi um brinde, porém, as informações contidas nesse post expressam as ideias da autora

Resenha: A Zona Morta - Stephen KingTítulo original: The Dead Zone
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Número de páginas: 480
Ano: 2017
Gênero: Suspense
Nota: 


Escrito por:

Isabela Zamboni



Comentários via Facebook

Comentários


Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *