Novas Resenhas:


21 frases e poemas de Carlos Drummond de Andrade

Quem nunca ouviu falar que no meio do caminho tinha uma pedra? Ou que João amava Teresa que amava Raimundo? Sem dúvidas, alguns poemas do mineiro Carlos Drummond de Andrade fazem parte da vida dos leitores brasileiros. Drummond foi escritor, cronista, poeta e considerado um dos autores mais influentes do século XX! Relembre sua obra através de 21 frases e poemas:

21 frases e poemas de Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade FOTO: Reprodução

1. O mundo é grande e cabe nesta janela sobre o mar. O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar. O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar.

2. A minha vontade é forte, porém minha disposição de obedecer-lhe é fraca.

3. NO MEIO DO CAMINHO

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra

Tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.

______

4. No adultério há pelo menos três pessoas que se enganam.

5. Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo.

6. Escritor: não somente uma certa maneira especial de ver as coisas, senão também uma impossibilidade de as ver de qualquer outra maneira.

7. Há certo gosto em pensar sozinho. É ato individual, como nascer e morrer.

8. Como as plantas, a amizade não deve ser muito nem pouco regada.

21 frases e poemas de Carlos Drummond de Andrade

FOTO: Reprodução / Tumblr

9. RECEITA DE ANO NOVO

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

______

10. Ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho ímpar.

11. Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante.

12. As obras-primas devem ter sido geradas por acaso; a produção voluntária não vai além da mediocridade.

13. Há duas épocas na vida, infância e velhice, em que a felicidade está numa caixa de bombons.

14. QUADRILHA

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para o Estados Unidos, Teresa para o
convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto
Fernandes
que não tinha entrado na história.

______

15. A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.

21 frases e poemas de Carlos Drummond de Andrade

FOTO: Reprodução / Tumblr

16. JOSÉ

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, Você?
Você que é sem nome,
que zomba dos outros,
Você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio, – e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse,
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse….
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja do galope,
você marcha, José!
José, para onde?

______

17. Se eu gosto de poesia? Gosto de gente, bichos, plantas, lugares, chocolate, vinho, papos amenos, amizade, amor. Acho que a poesia está contida nisso tudo.

18. Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chega a apertar o coração: é o amor!

19. Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata…

20. São mitos de calendário
tanto o ontem como o agora,
e o teu aniversário
é um nascer a toda hora.

21 frases e poemas de Carlos Drummond de Andrade

FOTO: Reprodução / Tumblr

21. OS OMBROS SUPORTAM O MUNDO

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.
Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.
Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

______

LEIA TAMBÉM

Fonte: PensadorKDFRASES.


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques


[VÍDEO] The Handmaid’s Tale – Série + livro

O livro The Handmaid’s Tale, da autora canadense Margaret Atwood, virou uma série de sucesso norte-americana exibida pelo serviço de streaming Hulu. Já foi confirmada uma segunda temporada e a série foi grande sucesso de público e crítica.

[VÍDEO] The Handmaid's Tale - Série + livro

A história passa-se num futuro muito próximo e tem como cenário uma república onde não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes – tudo fora queimado. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito a defesa. Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado – há as esposas, as marthas, as salvadoras etc.

À pobre Offred (June) coube a categoria de aia, o que significa pertencer ao governo e existir unicamente para procriar. Offred tem 33 anos. Antes, quando seu país ainda se chamava Estados Unidos, ela era casada e tinha uma filha. Mas o novo regime declarou adúlteros todos os segundos casamentos, assim como as uniões realizadas fora da religião oficial do Estado. Era o caso de Offred. Por isso, sua filha lhe foi tomada e doada para adoção, e ela foi tornada aia, sem nunca mais ter notícias de sua família. É uma realidade terrível, mas o ser humano é capaz de se adaptar a tudo.

Com esta história, Margaret Atwood leva o leitor a refletir sobre liberdade, direitos civis, poder, a fragilidade do mundo tal qual o conhecemos, o futuro e, principalmente, o presente.

O livro é sensacional e a série tão incrível quanto! Nós discutimos um pouco sobre essa distopia fantástica lá no nosso canal do YouTube. Confira!

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

LEIA TAMBÉM


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Entrevista com Rainbow Rowell, autora de Eleanor & Park

Se nunca leu, provavelmente você já deve ter ouvido falar de algum dos livros escritos por Rainbow Rowell: Eleanor & Park (que em breve será adaptado para os cinemas!) e Fangirl são sucessos por onde passam e conquistam legiões de fãs! Conversamos com autora sobre seus livros e a recepção do público. Confira nosso bate-papo:

Entrevista com Rainbow Rowell, autora de Eleanor & Park

FOTO: Divulgação

Melissa: Como começou a escrever seu primeiro romance?

Rainbow: Meu primeiro romance, Attachments, com certeza foi um experimento. Eu estava trabalhando em um jornal e queria ver se conseguia escrever um livro. Com Eleanor & Park e Fangirl, eu sabia que conseguiria, e eu estava viciada na sensação de escrever ficção. É um esforço criativo muito puro – criar um mundo inteiro dentro de sua própria cabeça.

Melissa: Como surgiu a ideia de Eleanor & Park? E de Fangirl?

Rainbow: Eleanor & Park foi inspirado em minha própria adolescência, em meus amigos e meu bairro. Com Fangirl, eu estava lendo muitas fan-fictions de Harry Potter, e comecei a pensar como a minha adolescência teria sido diferente se eu tivesse tido acesso à Internet e ao mundo do fandom. Eu acho que teria me sentido muito menos sozinha.

Melissa: Comente um pouco sobre Landline:

Rainbow: Landline é diferente porque é sobre adultos – adultos casados. Mas ainda se parece muito com os meus outros livros. Muitas conversas, muitas brincadeiras. Com uma história de amor bem no centro de tudo. Acho que é o meu livro mais dramático – há muita coisa em jogo para Georgie, minha personagem principal. Mas também é o mais engraçado.

Melissa: Em Eleanor & Park, você aborda temas importantes como xenofobia e dificuldades familiares. Para você, qual é o papel social que os autores devem exercer?

Rainbow: Minha responsabilidade como autora é contar uma boa história. Mas a minha responsabilidade como pessoa é fazer o que eu puder para tornar o mundo mais amável e justo. Portanto, espero que isso venha através do meu trabalho.

Melissa: Quais são suas fontes de inspiração?

Rainbow: Eu encontro inspiração em minha própria vida. Meus livros geralmente acabam sendo sobre algo que eu estou passando na minha vida – mesmo parecendo que os personagens estão passando por algo completamente diferente.

Melissa: Seus personagens masculinos são apaixonantes. Você se inspira em alguém da “vida real” para criá-los?

Rainbow: Obrigada. Eu acho que sou inspirada por todos os homens da minha vida – meu marido, meus irmãos, meu padrasto, meus amigos. Eles são caras sensíveis que acreditam no amor.

 

Melissa: Os direitos de Eleanor & Park foram comprados e, em breve, veremos essa história no cinema. Quais atores seriam perfeitos para interpretar os personagens principais?

Rainbow: Não consigo pensar em nenhum! Eleanor e Park não são os tipos de personagens que costumamos ver em filmes. Por isso, é difícil pensar em uma atriz ruiva e gordinha ou um jovem ator coreano. Espero que os dois papéis sejam interpretados por atores relativamente desconhecidos.

Melissa: Assim como Cath, você também é louca por fanfics? Quais você acompanha?

Rainbow: Eu sou! Eu leio fan-fictions de Harry Potter e Sherlock.

Melissa: Quais são seus projetos? O que podemos esperar pela frente?

Rainbow: Estou trabalhando agora em um romance YA de fantasia. E depois será uma colaboração em um graphic novel com a premiada artista Faith Erin Hicks.

Bate-bola com Rainbow

  • Livro favorito: Lugar Nenhum, de Neil Gaiman
  • Autores favoritos: Neil Gaiman, Marian Keyes, Sarah Waters
  • Livro YA favorito: Os Magos, de Lev Grossman
  • O que você está lendo atualmente? Estranha Presença, de Sarah Waters

LEIA TAMBÉM

Entrevista: Melissa Marques | Tradução: Thaís Tardivo | Conteúdo original publicado no site todateen.


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques


Resenha: Em Águas Sombrias – Paula Hawkins

Quando comecei a ler Em Águas Sombrias, tive uma esperança de que a autora Paula Hawkins faria um trabalho superior ao de A Garota no Trem. Apesar de não achar o melhor livro da vida, eu até gostei de ler o bestseller que virou filme com a Emily Blunt, então me empolguei para ler o lançamentoSinto dizer que o livro não me agradou.

Mas, vamos aos motivos! Eu sou superfã de suspense e histórias de mistério. Adoro tudo que envolve esse universo: detetives, pistas sobre homicídios, personagens obscuros, tentar adivinhar o que aconteceu… Mas esse livro não cria aquele ar divertido e nem um clima de tensão. São vários personagens que vivem em Beckford, uma pequena cidade na Inglaterra, tentando entender supostos suicídios de mulheres que morreram afogadas. O rio é um personagem importante na história, pois é ao redor dele que se seguem todas as subtramas.

Resenha: Em Águas Sombrias - Paula Hawkins

FOTO: Isabela Zamboni | Resenhas à la Carte

Cada capítulo é narrado por um personagem diferente, então são vários pontos de vista sobre o mesmo assunto. Até aí achei uma boa escolha, porque conseguimos entender um pouquinho do que aconteceu naquela cidade pelos olhos de pessoas com personalidades bem distintas. Tudo gira em torno da morte de Nel Abbot, uma mulher atraente que estava escrevendo um livro sobre as mulheres que morreram afogadas no rio. Sua morte altera a vida de muitas pessoas em Beckford: de sua filha Lena, sua irmã Jules, o policial Sean, a policial forasteira Erin, funcionários da escola, a família de uma garota que se suicidou, entre tantos outros personagens.

Para comprar o livro, é só clicar no link abaixo:

Um dos problemas é que não tem como criar empatia por ninguém. Você passa cada página querendo dar um soco na cara de cada um dos personagens. No máximo dá para entender um pouco a Jules, uma moça que tem um passado traumático e tenta lidar com a morte da irmã. Fora isso… Não sei se esse era o objetivo da autora, mas odiar os personagens é bem irritante: não dá vontade de continuar a leitura.

O motivo dos assassinatos, quem matou quem, também é óbvio desde a metade. Quem está acostumado com histórias de mistério consegue descobrir bem rápido. Outro ponto crucial: o livro enrola demais, dava para cortar pelo menos umas 50 páginas, sem dó. Quase no fim é que a trama finalmente começa a se desenrolar e os pontos a se unirem. Cansa demais!

Mas o que mais me tirou do sério mesmo foram os melodramas e a personagem central da história: a Lena. Que menina INSUPORTÁVEL. Logo no começo, na primeira página, Paula Hawkins dedica o livro “para todas as encrenqueiras”. Muitas mulheres do livro são encrenqueiras, realmente, principalmente as protagonistas. Porém, rola um exagero. Elas não são apenas encrenqueiras: são egoístas, grosseiras, chatas e insensíveis. O que parece “coragem”, na verdade é narcisismo. A autora até tenta colocar uns traços de feminismo e lições de moral no livro, mas não funciona. É muito mal encaixado.

Resenha: Em Águas Sombrias - Paula Hawkins

FOTO: Isabela Zamboni | Resenhas à la Carte

A amizade entre Lena e Katie é tão forçada que dá até nervoso de ler. Aliás, os relacionamentos interpessoais aqui não funcionam de maneira nenhuma. É um livro desconexo, com uma história pobre. Para ser bem sincera, em certos momentos achei Em Águas Sombrias brega. Alguns diálogos e reflexões dos personagens me deixaram com vergonha.

Parece que o que Paula Hawkins conquistou com A Garota no Trem, ela errou muito feio com Em Águas Sombrias. Fico triste, porque realmente tentei gostar desse livro. O final também não surpreende, é bem vazio. Porém, pode funcionar para quem é fã da autora ou que curta histórias dramáticas com vários personagens “encrenqueiros”.

* Esse produto foi um brinde, porém, as informações contidas nesse post expressam as ideias da autora

LEIA TAMBÉM

Resenha: Em Águas Sombrias - Paula HawkinsTítulo original: Into The Water
Autora: Paula Hawkins
Editora: Record
Número de páginas: 364
Ano: 2017
Gênero: Policial/Suspense
Nota:


Comente!
Escrito por:

Isabela Zamboni


Resenha: Mulheres – Carol Rossetti

Resenha: Mulheres - Carol Rossetti

FOTO: Melissa Marques | Resenhas à la Carte

Mulheres é um daqueles projetos despretensiosos: ele nasceu na internet e acabou tomando forma física através de um livro. Participei de um bate-papo com a autora no SESC Bauru e acabei adquirindo meu exemplar.

Muitas das ilustrações do livro também são parte da fanpage de Carol. O complemento aqui, ao meu ver, são os textos que iniciam cada tema em que o livro é dividido – Corpo, Moda, Identidade, Escolhas, Amores e Valentes.

“Há mulheres que não são ativistas, que nunca ouviram falar em feminismo, que nunca discutiram racismo. Mulheres que lutam de formas diferentes, a partir de ideias que não conhecemos. Existem mulheres que têm vergonha de compartilhar suas escolhas por medo de serem julgadas. E mulheres que discordam de tudo isso que eu disse até aqui”.

As ilustrações abordam temas do cotidiano feminino, com uma visão objetiva e, até mesmo, didática. Afinal, como a própria autora afirma: ninguém é 100% desconstruído. Esse é, na verdade, um exercício diário de aprendizado.

Resenha: Mulheres - Carol Rossetti

FOTO: Melissa Marques | Resenhas à la Carte

Clique abaixo e compre o seu exemplar:

No livro, Carol aborda temas atuais e supernecessários, como o machismo, a gordofobia, o racismo, e outros preconceitos ainda mais velados em nossa sociedade. Deficiências, amadurecimento, escolhas… São diversos pontos importantes abordados em Mulheres.

Resenha: Mulheres - Carol Rossetti

FOTO: Melissa Marques | Resenhas à la Carte

“É necessário encontrar a sua forma de lutar. Todos os personagens que eu criar eu vou tratar sobre representatividade. Quero colocar personagens trans, negros… trans-negros-gordos”. (Carol Rossetti, em entrevista ao Resenhas à la Carte).

Para mim, um dos únicos problemas do livro é que ele não tem páginas numeradas. Então, se eu quiser achar uma ilustração específica, preciso folheá-lo inteiro novamente até achá-la.

Resenha: Mulheres - Carol Rossetti

FOTO: Melissa Marques | Resenhas à la Carte

De forma criativa e com belas ilustrações, Carol Rossetti dá umas boas cutucadas e nos faz refletir sobre os julgamentos enraizados que (nós, Mulheres) temos que enfrentar no dia a dia.

LEIA TAMBÉM

Resenha: Mulheres - Carol RossettiTítulo original: Mulheres
Autora: Carol Rossetti
Editora: Sextante
Número de páginas: 160
Ano: 2015
Gênero: Ilustração
Nota: 


Comente!
Escrito por:

Melissa Marques


Página 1 de 4912345...102030...Última »