Resenha: A Ignorância – Milan Kundera

Como já esperava, mais um livro magnífico de Milan Kundera. Sou muuuuuuito fã do autor, com certeza é um dos meus escritores favoritos. Quando pego um livro dele para ler, já sei que vou amar, me emocionar, chorar e entrar em “crise existencial”. Não sei explicar, mas quase todos os livros do Kundera (exceto “A Festa da Insignificância”, que não me fisgou) me deixam ao mesmo tempo extasiada e desconcertada. É sempre esse sentimento de dualidade, parece que levei um soco na cara e depois comi um doce. Dá para entender? Hahaha!

Resenha: A Ignorância - Milan Kundera

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Em A Ignorância, o autor conta a história de Josef e Irena, personagens que saíram da República Tcheca para morar na Dinamarca e na França, respectivamente. Ao saírem de seus países em uma época conturbada, tornaram-se expatriados. Depois da queda dos regimes comunistas do Leste Europeu, em 1989, eles retornam para um país que, para eles, não é mais um lar, mas sim uma lembrança do passado que há muito tempo está enterrado.

Solidão. Essa palavra ressurge com frequência. Ele tentava assustá-las descrevendo a terrível perspectiva da solidão. Para que o amasse, fazia-lhes sermões como um padre: sem os sentimentos, a sexualidade é como um deserto em que se morre de tristeza. (p.49)

Os livros de Kundera seguem um padrão: quase todas as obras do autor utilizam diferentes personagens que se cruzam no percurso da trama, mas que servem mais como objetos de discussão. Ao utilizar os sentimentos de Josef e Irena, ele consegue dissertar sobre assuntos sociológicos e filosóficos. Aqui, ele disseca o sentimento de nostalgia, de uma forma bem diferente daquela que conhecemos.

Leia também

Resenha: Para Ler Como um Escritor – Francine Prose
Resenha: Madame Bovary – Gustave Flaubert
Resenha: O Zen e a Arte da Escrita – Ray Bradbury

Ele não apenas relembra a etimologia da palavra, que em sua origem grega remete ao “sofrimento causado pelo desejo irrealizado de retornar”; mas também a compara com ignorância: só há nostalgia daquilo de que não temos mais notícia. Em um momento triste do livro, Irena desabafa sobre sua vida com uma amiga e conta que, praticamente, tudo em nossas vidas escolhemos “na fase da ignorância”.

O dia era iluminado pela beleza do país que havia sido abandonado, e a noite pelo horror de retornar a ele. O dia mostrava-lhe o paraíso que ela havia perdido, a noite, o inferno do qual havia fugido. (p.16)

Ou seja: carreira, casamento, amizades e planos para o futuro quase sempre são escolhas da juventude, quando não temos a menor ideia do que realmente queremos para nossas vidas. Decisões cruciais são feitas em momentos errados ou inoportunos, destruindo desejos e vontades que realmente poderiam fazer a diferença em nossas vidas.

Resenha: A Ignorância - Milan Kundera

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

No decorrer das páginas, lemos os pensamentos mais íntimos de Josef e Irina: compreendemos suas angústias, sofrimentos, desejos, vontades e arrependimentos. Mais uma vez, o autor trabalha com afinco o psicológico dos personagens, que, em cada atitude, gesto ou lembrança, praticamente nos dão um soco no estômago, causando o efeito de uma crise de identidade (pelo menos comigo!).

Pois a nostalgia não intensifica a atividade da memória, não estimula as lembranças, ela basta a si mesma, à sua própria emoção, tão totalmente absorvida por seu próprio sofrimento. (p.26)

Pode parecer estranho gostar tanto de um livro que me fez “mal”, mas acredito que esse tipo de obra literária que nos tira da inércia e do lugar comum são os melhores. Milan Kundera é mestre em cutucar a ferida e, portanto, você não pode passar sua vida sem ler essa obra curtinha e grandiosa.

Resenha: A Ignorância - Milan Kundera

Título original: L’Ignorance
Autor: Milan Kundera
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 128
Ano: 2015
Gênero: Literatura Estrangeira
Nota: EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela

 


Escrito por:

Isabela Zamboni



Comentários via Facebook

2 Comentários

  • contato@tatiaponte.com.br'
    Tati Aponte 06 / 06 / 2017

    Eu amo infinito este livro. É o meu preferido do Kundera…

    Responder

    • Isabela Zamboni 06 / 06 / 2017

      Kundera é sensacional <3

      Responder


Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *