Listas

6 curiosidades sobre a vida de C.S. Lewis

Clive Staples Lewis, também conhecido como C.S. Lewis, ganhou notoriedade por meio da famosa série de livros As Crônicas de Nárnia (um dos meus livros preferidos!), mas sua trajetória também foi marcada por diversos outros fatos e curiosidades interessantes. Até as pequenas peculiaridades foram importantes para que o autor se tornasse um dos intelectuais mais relevantes que já existiram. Por isso, separamos algumas dessas situações! Confira:

6 curiosidades sobre a vida de C.S. Lewis

  1. C.S. Lewis era filho caçula e foi descrito como uma “criança sonhadora” pelos seus pais, Albert James Lewis e Florence Augusta Lewis. Com apenas três anos de idade, simplesmente resolveu adotar o nome de “Jack” e foi reconhecido dessa forma, pela família e por amigos, até o fim de sua vida;
  2. Com apenas 10 anos, Lewis viu sua mãe morrer de forma precoce. Essa tragédia fez com que o garoto se isolasse ainda mais da convivência com as outras crianças, buscando refúgio em suas histórias e fantasias infantis;
  3. Lewis e seu irmão Warren eram diferentes dos adolescentes da época, pois não demonstravam interesse pelas novidades e inovações provenientes da época. Passando a maior parte do tempo em bibliotecas, Warren e Clive se dedicavam à leitura de livros clássicos;
  4. Mesmo com uma criação seguindo as tradições da Igreja da Irlanda, o autor se tornou um ateu convicto na adolescência, voltando a professar a fé cristã apenas na vida adulta. Um grande escritor e amigo de Lewis foi fundamental nesse processo;
  5. O amigo de Lewis que o ajudou a voltar ao cristianismo foi nada mais nada menos que J. R. R. Tolkien (autor de O Senhor dos Anéis). Os dois integraram o corpo docente da Faculdade de Língua Inglesa da Universidade de Oxford e estiveram à frente do grupo informal de discussão e colaboração literária chamado The Inklings;
  6. Outro grande amigo do autor foi Paddy Moore, soldado irlandês que conhecera durante o serviço militar na Primeira Guerra Mundial. Lewis e Paddy se tornaram tão próximos que fizeram uma promessa: caso algum deles morresse em combate, o outro tomaria conta da família do falecido. Paddy morreu e Lewis cumpriu a sua promessa, se tornando amigo da família Moore até o fim de sua vida.

Em A vida de C.S. Lewis: Do ateísmo às terras de Nárnia, obra relançada pela Editora Mundo Cristão, é possível entender toda essa rica trajetória do escritor. Além das grandes histórias de Lewis, o autor Alister McGrath, um dos maiores teólogos da atualidade, traz detalhes minuciosos e uma visão crítica dos escritos desse pensador.

CLIQUE PARA COMPRAR:

Saiba mais sobre o autor de “A Vida de C.S. Lewis”

Alister McGrath é um dos principais teólogos cristãos da atualidade. Ele trabalha no King’s College, em Londres, como diretor do Centro de Teologia, Religião e Cultura e como professor de Teologia, Ministério e Educação. Antes de se mudar para essa instituição, McGrath foi professor de Teologia Histórica na Universidade de Oxford. Sua capacidade intelectual e seu vasto domínio das Escrituras permitem que trafegue por diferentes gêneros, da ficção à teologia sistemática, passando por obras de apologética e biografia, numa extensa e rica produção literária.

Conteúdo desenvolvido por LC – Agência de Comunicação

Gostou de saber um pouco mais sobre as curiosidades da vida de C.S. Lewis? Já leu o livro? Comente com a gente! 🙂

LEIA TAMBÉM

Newsletter Resenhas à la Carte - Vamos falar de livros?

Resenha

Resenha: Nossas Noites – Kent Haruf

Nossas Noites foi o último trabalho publicado por Kent Haruf, que faleceu em 2014, aos 71 anos. O que mais me chamou a atenção, a princípio, foram os protagonistas. Eu não conseguia me lembrar de quantos livros havia lido com personagens septuagenários como protagonistas e, por isso, resolvi dar uma chance para o romance de Haruf.

Os capítulos supercurtos fazem o leitor engatar de uma vez na história e, quando você percebe, já está completamente tomado pelo enredo de Louis e Addie.

Resenha

Resenha: F*deu Geral – Mark Manson

Arthur Schopenhauer dizia algo como “A vontade é cega e irracional“.  Na segunda temporada de Dark, um dos episódios inicia com um monólogo do personagem Adam falando exatamente sobre como o homem é controlado por suas emoções. O quanto nos enganamos achando – ou tentando achar – respostas que nos pareçam levemente plausíveis para explicar ações tomadas no dia a dia. E o que tudo isso tem a ver com F*deu Geral?

Resenha

Resenha: Walden – Henry David Thoreau

Recebi da Edipro um exemplar de Walden, um dos livros mais famosos de Henry David Thoreau. Realmente, é muito difícil dizer exatamente sobre o que se trata o livro: não é apenas uma biografia, não é um estudo antropológico, não é um livro filosófico… Mas é tudo isso junto.

Confira a sinopse:

“Autobiografia de Henry D. Thoreau, Walden é a manifestação dos ideais de um dos maiores críticos da civilização industrial na história. Publicada em 1854, a obra passa por temas não superados até hoje pelo homem contemporâneo, como o direito à liberdade e o respeito à natureza. E tudo começa com um intrigante experimento social. Em 1854, buscando apartar-se de uma sociedade cada vez mais complexa, Thoreau retira-se para a propriedade de um amigo às margens do lago Walden. Na pequena cabana na floresta, adapta as suas habitações e constrói seus móveis, planta os alimentos que consome e os prepara, faz descobertas espirituais. Por meio de uma vida simples e autossuficiente, cria sua utopia. Ainda que seja uma crítica à vida urbana do século XIX, Walden ainda é capaz de suscitar importantes reflexões sobre nosso modo de vida. Em mais de um século de existência, tornou-se uma referência para movimentos libertários, ecologistas e todos os que buscam uma vida mais harmônica.”