Resenha: A Filha – Jane Shemilt

O que dizer deste livro que devorei em poucos dias? Sou muito fã de romance policial/thriller/suspense/mistério/investigação ou como você quiser chamar. Desde pequena sou viciadíssima em histórias de detetive – Sherlock Holmes,  livros da Agatha Christie, Sidney Sheldon etc. Então, quando peguei oA Filha na mão e vi que era um romance policial, claro que já comecei a ler. Vou dizer pra vocês que não são todos que me empolgam, mas esse – como o encarte nos adianta – é VICIANTE!

A autora Jane Shemilt tem um estilo muito bom. A leitura prende do começo ao fim, não dá vontade de parar, tudo o que queremos saber é o que vai acontecer! Mas, antes de começar a me empolgar aqui, deixa eu falar um pouquinho da história do livro.

Resenha: A Filha - Jane Shemilt

Foto: Isabela Zamboni/Resenhas à La Carte

Em A Filha, acompanhamos a vida da família Malcolm: a mãe Jenny, o pai Ted, e os filhos Theo, Ed e Naomi. Jenny e Ted são médicos e estão sempre trabalhando, enquanto os filhos estão atarefados com atividades escolares. Theo e Ed são gêmeos, prestes a entrar na universidade, enquanto Naomi tem apenas 15 anos e é a atriz principal de uma peça da escola.

A narrativa é em primeira pessoa, pelos olhos de Jenny, que leva uma vida considerada normal e nos eixos – tem bastante dinheiro, é bem sucedida no trabalho e sua família é aparentemente inabalável. Até que um dia Naomi vai se apresentar na peça de teatro da escola e não volta para casa. A partir daí, vemos uma mãe abalada, desesperada e triste, em busca da filha que sumiu sem deixar rastros.

O livro intercala o passado com o presente, o que já empolga bastante (adoro linha temporal desfragmentada). A trama se passa em Bristol e Dorset, pequenas cidades da Inglaterra. A autora, por ser britânica, apresenta descrições bem precisas das estações do ano, do clima e das paisagens locais, criando uma atmosfera melancólica e triste. Sempre acompanhamos descrições de chuvas, ventos frios, tempestades e folhas caindo para marcar a passagem do tempo. Eu acho incrível, pois adoro esse tipo de clima e acredito que esse recurso enriquece a narrativa.

+Leia também: resenha do livro AURA, de CARLOS FUENTES

+Leia também: resenha do livro OS ASSASSINOS DO CARTÃO POSTAL, de James Patterson

O que mais gostei mesmo foi acompanharmos essa história pelo ponto de vista de uma mãe ingênua. O tempo todo Jenny acredita que Naomi é perfeita, que conhece sua filha como ninguém, que a garota é um anjo, boa aluna, talentosa, esforçada, incrível. Mas, pelo contrário, a menina esconde tantos segredos que dá até desespero de saber O QUE DIABOS ESTÁ ACONTECENDO! Lembra bastante a Laura Palmer, da série Twin Peaks.

Enquanto sofre dia após dia com o desaparecimento da garota, Jenny ainda tem que lidar com os outros dois filhos e os problemas do casamento. Em uma narrativa eletrizante, só queremos devorar as páginas para chegar ao final e entender por que Naomi sumiu e o que realmente acontecia no dia a dia dessa família, que, ao contrário do que parece, não é nada  feliz.

Mas, infelizmente, tenho algumas críticas negativas. Alguns personagens são inseridos na história da metade pra frente apenas para tapar buracos e criar uma justificativa para o que Jenny vai fazer. Não serviu de nada, poderia ter cortado e diminuído algumas páginas. Mas, isso ainda dá pra relevar, né? O problema é justamente a resolução do mistério. Você lê página atrás de página para ver um final incrível, para falar ‘AAH EU SEMPRE SOUBE’ ou ficar surpreso, indignado, esperançoso… mas… NÃO.

O final foi decepcionante pra mim. Parece que a autora não sabia o que fazer e correu pra acabar logo, colocando um desfecho pobre e, digamos assim, caricato. Não fez muito sentido, sabe? E por mais que a gente queira compreender o que se passou na cabeça de Naomi, não vamos saber não, amigos. Tudo bem que a narrativa é pelo ponto de vista da mãe, então complica saber, mas o TEMPO INTEIRO os outros personagens dão dicas, falam sobre Naomi, comentam coisas do tipo “nossa, você não faz mesmo ideia de quem é a verdadeira Naomi”. Jane Shemilt cria um suspense enorme em volta da personalidade da menina, mas, no fim das contas, o mistério permanece. Não vamos saber quem é realmente A Filha.

* Esse produto foi um brinde, porém, as informações contidas nesse post expressam as ideias da autora.

Resenha: A Filha - Jane Shemilt

Título original: Daughter
Autor: Jane Shemilt
Editora: Harper Collins Brasil
Número de páginas: 320
Ano: 2015
Gênero: Thriller
NotaEstrelaEstrelaEstrelaEstrelaestrela vazia


Escrito por:

Isabela Zamboni



Comentários via Facebook

8 Comentários

  • cynthiaxoc2@gmail.com'
    Cynthia 30 / 03 / 2017

    Real! O fim me decepcionou muito, muito mesmo.

    Responder

    • Isabela Zamboni 30 / 03 / 2017

      Bem triste mesmo 🙁

      Responder

  • charlenegleice@hotmail.com'
    Charlene 19 / 05 / 2017

    To tentando entender esse final até agora e com muita raiva dessa menina.

    Responder

    • Isabela Zamboni 19 / 05 / 2017

      E como dá raiva! E que final forçado! Hahaha

      Responder

  • sarahluizalvesa@gmail.com'
    uma leitora qualquer 02 / 11 / 2017

    Pelo incrível que pareça eu gostei bastante do final, me surpreendeu, me fez querer mais… enfim questão de opinião, cada um acha o que quer.

    Responder

    • Isabela Zamboni 04 / 11 / 2017

      Claro, cada um com seu gosto!
      Beijos

      Responder

  • Tamires-sampaio@hotmail.com'
    Tamires Sampaio 11 / 11 / 2017

    Realmente espera mais do final, inclusive se”descobriria” quem é a Naomi de verdade ?
    Terminei a leitura agora, e estou confusa ainda com este final.

    Responder

    • Isabela Zamboni 11 / 11 / 2017

      Esse final é estranho demais!

      Responder


Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *