Resenhas  |  18.06.2015

Resenha: Assassinato no Expresso do Oriente – Agatha Christie

CHEGA DE JULGAMENTOS! Nunca mais serei alvo de risos contidos e olhos esbugalhados me perguntando: “COMO ASSIM, VOCÊ NUNCA LEU AGATHA CHRISTIE?”. Pois é, minha gente! Minha hora de brilhar ler um livro da Rainha do Crime chegou! Meu escolhido foi o famoso Assassinato no Expresso do Oriente, edição da Nova Fronteira!

Vou falar bem ~de boas~ sobre o enredo, já que não é novidade pra ninguém, a não ser pra mim, né? haha

Resumindo, em uma viagem de trem à Londres, durante uma parada por causa de uma nevasca, o corpo de um dos passageiros é encontrado com 12 facadas e cabe ao detetive Hercule Poirot solucionar o crime antes da polícia iugoslava.

Resenha: Assassinato no Expresso do Oriente - Agatha Christie

FOTO: Melissa Marques / Resenhas à la Carte

O que mais me espantou (aka: me deixou “de cara”) foi o fato de Assassinato no Expresso do Oriente ter “apenas” (digo apenas por que, para um leitor acostumado com livros de mais de 300 páginas, esse pode ser considerado pequeno) 200 páginas e tantas ideias borbulhantes e reviravoltas.

Clique para obter o seu exemplar de Assassinato no Expresso do Oriente:

Posso dizer que cheguei a suspeitar de cada um dos viajantes do Expresso do Oriente. Pra depois, claro, pensar: “que idiota, claro que não!”. Fiquei sem comer, sem dormir (de domingo pra segunda dormi 3h, valeu, Agatha!), sem sair! Haha. Gente, sério. O negócio é incrível, tenso, e você NÃO PODE PARAR! ~não para, não para, não para, não!~

Eu, muito ligeira, sagaz e espertona, tinha certeza – ou uma boa aposta – sobre como terminaria o livro. E olha, posso dizer: NÃO TEM NADA A VER COM O QUE EU PENSEI. RISOS.

Ou tem. Até tem. Mas o fim você só vai descobrir lendo Assassinato no Expresso do Oriente. No decorrer do livro, como a maioria dos suspenses policiais, a autora lança diversas dicas, mas que você só acaba percebendo quando chega na última página.

Resumindo, Agatha, fofa… Você merece totalmente o título. Você é linda, rainha, querida, lacradora, diva e muito mais. Te considero pakas.

PS: Senti falta de uma notinha de rodapé traduzindo algumas frases em francês.
PS²: Li várias resenhas apontando o livro como um dos melhores da Agatha, então, se você ainda não leu, vale a pena tirar umas horinhas para se dedicar ao crime 😉 #tôprocrime

 

Assassinato no Expresso do Oriente foi adaptado para os cinemas! Confira o trailer legendado:

 

LEIA TAMBÉM

Ajude o Resenhas! Clicando na imagem abaixo você contribui para o crescimento do blog! 🙂

Ajude o resenhas a crescer

Anterior
Próximo
Compartilhe
Comente Aqui
4 Comentários “Resenha: Assassinato no Expresso do Oriente – Agatha Christie”
  1. Carla Queiroz      19 nov 2019 // 02H54

    Boa noite!!!
    Eu já li muitos livros dessa autora.
    Curto muito os livros onde ela usa como detetive Miss Marple que, eu imagino e -acredito que a maioria dos leitores- também devem imaginá-la como aquela velhinha do interior, que muitos não prestariam muita atenção.
    A maioria dos detetves dos livros dela chegam acha-la meio ”caduca”, mas quando a ” velhinha ” abre a boca… que lição de ineligencia e sabedoria eles recebem…
    É sempre um show!!!
    Ufa!!!

    • Melissa Marques      19 nov 2019 // 03H03

      Miss Marple é, realmente, impagável! Hahaha 🙂
      Obrigada pela sua visita e comentário, Carla!
      Abraços,

  2. Carla Queiroz      31 jul 2017 // 06H32

    Boa noite!!!
    Eu já li muitos livros dessa autora.
    Curto muito os livros onde ela usa como detetive Miss Marple que, eu imagino e -acredito que a maioria dos leitores- também devem imaginá-la como aquela velhinha do interior, que muitos não prestariam muita atenção.
    A maioria dos detetves dos livros dela chegam acha-la meio ”caduca”, mas quando a ” velhinha ” abre a boca… que lição de ineligencia e sabedoria eles recebem…
    É sempre um show!!!
    Ufa!!!

    • Melissa Marques      22 ago 2017 // 12H01

      Miss Marple é, realmente, impagável! Hahaha 🙂
      Obrigada pela sua visita e comentário, Carla!
      Abraços,