Resenhas  |  31.07.2020

Resenha: O Alienista – Machado de Assis

Resenha: O Alienista - Machado de Assis

FOTO: Isabela Zamboni/Resenhas à la Carte

Li no Kindle Unlimited o conto O Alienista, de Machado de Assis, porque sempre ouvi falar muito bem dessa narrativa. Inclusive, a obra ficou tão conhecida que ganhou um livro próprio – é possível encontrar várias edições diferentes. Apesar das poucas páginas, o ‘conto-novela’, como foi classificado, é um grande questionamento sobre a fronteira entre normalidade e loucura.

Leia a sinopse:

Quem é louco?

Esta é a grande questão proposta neste livro. Conto extenso, quase uma novela, O alienista é uma obra-prima da nossa literatura. Nessa narrativa, publicada pela primeira vez em 1882, Machado de Assis (1839-1908), o autor de Dom Casmurro, Quincas Borba e Memórias póstumas de Brás Cubas, entre outros, conta a história do eminente doutor Simão Bacamarte.

Dedicado estudioso da mente humana, o médico decide construir a “Casa verde” – um hospício para tratar os doentes mentais na pequena cidade de Itaguaí. Com um estilo realista e fantástico a um só tempo, Machado conduz uma história surpreendente e mostra ao leitor que tudo é relativo e que a normalidade nem sempre é aquilo que a ciência e os fatos atestam de forma absoluta.

Em O alienista, está presente todo o gênio, toda a ironia e o magistral estilo do maior nome da prosa brasileira.

 

Impossível não se encantar com os livros de Machado. O que eu mais gosto nas histórias do autor é a ironia, o sarcasmo e a hipocrisia das personagens. O alienista, o doutor Simão Bacamarte, acredita que tudo é válido em nome da ciência. Enquanto ganha notoriedade na cidade de Itaguaí (RJ), consegue montar a Casa Verde com aprovação da Câmara municipal e dos cidadãos.

“A loucura, objeto dos meus estudos, era até agora uma ilha perdida no oceano da razão; começo a suspeitar que é um continente.”

Casa-se com uma mulher comum, sem muitos encantos, e não consegue ter filhos. A partir daí, dedica-se exclusivamente ao trabalho, deixando qualquer pessoa à uma distância apropriada. Com o tempo, além de estudar os doentes, começa a trancafiar um por um dentro do hospício, sempre com o pretexto de estudar certas enfermidades.

Para comprar o livro é só clicar no link abaixo:

A cidade começa então a revoltar-se e alguns personagens lideram motins e revoltas para impedir que muitas pessoas sejam trancadas dentro da Casa Verde. Mas é claro que esses homens (os barbeiros, especialmente) não têm a intenção de ajudar as pessoas, mas buscam poder e superioridade, alcançando cargos de confiança no governo local e certa notoriedade entre os cidadãos.

Em O Alienista, Machado critica o cientificismo do final do século XIX. O enredo, além de discutir o limite entre razão e loucura, apresenta também a questão de disputa de poderes.

“Imagem vivaz do gênio e do vulgo! Um fita o presente, com todas as suas lágrimas e saudades, outro devassa o futuro com todas as suas auroras.”

Em poucas páginas, somos transportados para um conto recheado de disputas, acontecimentos por vezes engraçados e questionamentos sobre a ciência, a psicologia e o caráter humano. Algumas frases do livro demonstram a genialidade do autor:

“Nada tenho que ver com a ciência; mas se tantos homens em quem supomos juízo são reclusos por dementes, quem nos afirma que o alienado não é o alienista?”

Resenha: O Alienista - Machado de Assis

FOTO: Isabela Zamboni/Resenhas à la Carte

“Mas deveras estariam eles doidos, e foram curados por mim, ou o que pareceu cura não foi mais do que a descoberta do perfeito desequilíbrio do cérebro?”

Recomendo bastante esse conto, que com sua linguagem sagaz, deixa aquele gostinho de quero mais. Inclusive, bateu a vontade de reler Dom Casmurro e Memórias Póstumas. Ler Machado nunca é uma má ideia!

NOTA:

LEIA TAMBÉM

Ajude o Resenhas! Clicando na imagem abaixo você contribui para o crescimento do blog! 🙂

Ajude o resenhas a crescer

Anterior
Próximo
Compartilhe
Comente Aqui
0 Comentários “Resenha: O Alienista – Machado de Assis”